quarta-feira, 31 de maio de 2017

Os Kurandeiros - 1º/6/2017 - Quinta-Feira / SP - Rockers Self Garage - Saúde - São Paulo / SP



Os Kurandeiros


1º de junho de 2017 – Quinta-Feira - 19 Horas


Rockers Self Garage

Rua General Chagas Santos, 607

Saúde

Estações Praça da Árvore & Saúde do Metrô

São Paulo - SP

Os Kurandeiros :
Kim Kehl - Guitarra
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues – Baixo

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Cruzada Transcendental - Por Marcelino Rodriguez



Chegou o verão, a estação do colírio. Para  mim, míope de carteirinha – só vejo bem as mulheres e o contexto que as formam – é um refrigério. Eis que, por todo lugar em que ando, as vejo à vontade. Shorts, minishorts, saias, minissaias, vestidinhos leves, graciosos, peitinhos isentos de sutiã divinamente delineados, misteriosamente semiocultos. Meu Deus, por que não posso beijá-las, todas? 


Sei, vocês devem estar pensando que eu sou doido. É isso mesmo, sou um deslumbrado, completamente dependente do eterno feminino para sobreviver. Mulheres, já! O resto é complemento, confusões, mal-entendidos. Um dia, creio – a pretensão é grave – escreverei sobre as classes de mulheres que há, de acordo com a cronologia, evidentemente, já que pretender entende-las, em suas individualidades e recantos, é passar-se um atestado de burrice. Sejamos loucos, sim!  Burros, nunca ! 

Eu gostei da entrada deste ano. Passei a madrugada de réveillon na Barra, em casa de gente desconhecida (amigos de amigos), porém simpática. Cercado pelo conforto, defronte ao mar. 


Mas, apesar da praia e demais atrativos da noite de festa, o que tornará este réveillon inesquecível foi a cruzada de pernas de uma beldade (perfeita, se não fosse casada), perguntando-me o que eu queria beber.

--- Cerveja, balbuciei, absolutamente extasiado. 

E até hoje não sei se aquela dama estava de short, minishort, saia ou saia short, tal fora a fineza e arte com que cruzara as pernas. O que ela esconderia, meu Deus ? Sem dúvidas, foi uma cruzada de pernas transcendental. E quem pode analisar a transcendência ? 



Marcelino Rodriguez é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Escritor de vasta e consagrada obra, aqui no traz uma crônica curta e leve, falando da ebulição masculina ante os encantos femininos. Extraída de seu livro "O Primeiro Milhão de um Homem"

domingo, 21 de maio de 2017

Os Kurandeiros - 26/5/2017 - Sexta-Feira - 21 Hs. - Tchê Café - Vila Santa Catarina - São Paulo / SP


Os Kurandeiros

26 de maio de 2017 - Sexta-Feira - 21:00 Horas

Tchê Café

Avenida Washington Luiz, 5628

Vila Santa Catarina

Próximo ao Aeroporto de Congonhas

São Paulo - SP

Os Kurandeiros :
Kim Kehl - Guitarra
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues - Baixo

Os Kurandeiros - 21/5/2017 - Domingo - 19:30 Hs. - Fofinho Rock Bar - Belenzinho - São Paulo / SP

Os Kurandeiros

21 de maio de 2017 - Domingo - 19:30 Horas

Fofinho Rock Bar

Avenida Celso Garcia, 2728

Belenzinho

Estação Belém do Metrô

São Paulo - SP

Os Kurandeiros :
Kim Kehl - Guitarra
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues - Baixo

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Os Kurandeiros - 20/5/2017 - Sábado / 19 Hs. - Rockers Self Garage - Saúde - São Paulo / SP

Os Kurandeiros

20 de maio de 2017 - Sábado - 19 Horas

Rockers Self Garage

Rua General Chagas Santos, 607

Saúde

Estações Praça da Árvore & Saúde do Metrô

São Paulo - SP

Os Kurandeiros :
Kim Kehl - Guitarra
Carlinhos Machado - Bateria e Voz
Luiz Domingues - Baixo

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Adaptabilidade - Por Telma Jábali Barretto

Diz uma de nossas ciências que sobrevivem somente aqueles com capacidade de adaptação e, esses, parecem ser os mais fortes na própria linguagem da vida... ainda, um filósofo afirma que aquilo que não nos mata, nos fortalece ! Vivendo num mundo tão rápido e mutante, poderíamos dizer que estamos sendo testados a ser mais fortes, quem sabe e até, mais seres humanos, heróis de si mesmos ?!...

Essa competência tira-nos de zonas de conforto, padrões rígidos, inflexíveis, ensinando-nos a fluir como água, líquidos, adquirindo, caso não exista, numa conspiração muito além de nós, habilidade, a ser aprendida para um viver que, talvez ?!..., traga mais colorido, dinamismo, propiciando nuances e sabores desconhecidos, não como uma proposta, necessariamente escolhida por nós, de desafios e aventuras, mas, ao que parece e sim, trazendo revolução ao contexto traçado que, em meio a metas e buscas, saibamos também respeitar, aceitar e ter alguma anuência no conciliar entre planos e diretrizes, acolhendo a também natural oxigenação, revigoradora e provável...?!...reveladora da singular expressão de cada um!
Muito parente da resiliência, essa adaptabilidade propõe amoldar-nos, sem trair conhecidas metas, num transitar entre o masculino e guerreiro, dentro de cada um de nós, e o feminino, também dentro de cada um de nós, que conhece o entender, sentir e absorver, fazendo-nos igualmente receptivos, além de corajosos, num tempero que parece, propiciador de fortalecimento! Essa nova inteireza, integralidade, unidade conquistada em nós, num bonito uso de ir além polarização que divide, pode levar a conhecer uma harmonização de opostos, num somar de fluxos que extraem mais beleza e transmutam dificuldades em ganhos e conquistas! Esse parece ser aquilo que estejamos sendo convidados individual e coletivamente não ?!...Difere bastante de radicalismos / força bruta versus subserviência/sobrevivência, cada vez mais distantes teórica, infelizmente, ainda tão presentes...por forças que em nós, pessoalmente, ainda reverberam e que  se refletem comunitariamente...

Chegar a um denominador comum,  onde sempre se ganha, mesmo e em meio a perdas e aparentes (des) apegos, conhecendo um tipo de abrir mão, concessões, conscientes que, também , isso acresce, agrega e engrandece, onde o caminho e trajetória vêm sendo percorridos num passo a passo de sutilização das percepções, aprendendo a tudo receber e agradecer numa fidelidade, que vai  muito além de amor próprio, autoafirmação, submetedora / despótica ou ameaçada/vítima, de ganha/perde dicotômico, mas num começar a enxergar, perceber e vislumbrar a experiência do existir dentro da magnitude do processo cósmico, que segue em sua abundância, oferecendo-se continuamente generosa, impessoal e equânime, testando-nos no desafio de sermos únicos dentro desse viver nessa multiplicidade mágica, abdicando de cartilhas obsoletas, confrontadoras, inaugurando olhar unificador, sempre vencedor, que aprecia levar-nos a ser quem somos, estimulador de despertar de outros ser quem são !!! E que assim seja em mim, assim seja em vc e que assim em nós !!! Amém...


Telma Jábali Barretto é colunista fixa do Blog Luiz Domingues 2. Engenheira civil, é também uma experiente astróloga, consultora para harmonização de ambientes e instrutora de Suddha Raja Yoga. Nesta reflexão, fala-nos sobre a adaptabilidade, uma característica que anda em paralelo com a resiliência e a paciência e assim serve-nos como força a enfrentar os obstáculos da vida.