terça-feira, 6 de setembro de 2016

Banho & Elogios - Por Luiz Domingues

O ritual do banho nos acompanha desde que nascemos. Mal saímos do ventre materno e somos banhados, numa ação higiênica providencial, é bem verdade, mas que dá início à uma realidade que manteremos até o último dia de vida, ou seja, nosso corpo precisa dessa profilaxia, constantemente.


Sem consciência alguma, o primeiro banho e os subsequentes, nem causam tanta estranheza visto que imersos estávamos em líquido no ventre materno, por meses.  
Contudo, à medida que a vida avança e passamos a ter nossas primeiras percepções, tal ato passa a ter outros contornos. Por exemplo, as primeiras sensações de conforto e desconforto ante o choque com a água, falando primeiramente de temperatura, logicamente.


Mas o contato com produtos também provocam sensações. Haja vista a questão olfativa, falando em sabonete; shampoo; cremes hidrantes; pomadas e talco, onde o aroma perfumado de tais produtos nos fazem associar a ideia do banho à uma coisa prazerosa.
Não só por isso, mas o contato com a água, geralmente induzindo o bebê ao fator lúdico, estimulado pelos adultos a enxergar isso como uma brincadeira como fator agregado e não apenas visando o aspecto da higiene.


Bem, nem todo mundo gosta do contato com a água, é verdade, mas a tendência principalmente num país de características tropicais como o Brasil, é a de logo associarmos tal contato com o efeito refrescante.

Houve época que os shampoos, mesmo os infantis, ainda não haviam desenvolvido fórmulas evitando componentes químicos que causassem ardência ocular. Sou dessa época e portanto, da minha geração para trás, fui um bebê que associava a lavagem dos cabelos à dor e reclamava, via choro, quando a mamãe insistia em passar aquele líquido desagradável na minha cabeça, chorando, mesmo antes que acontecesse o inevitável e claro que eu sei que a minha mãe esmerava-se para não deixar acontecer, aplicando pouca quantidade e tentando inibir o contato do produto com meus olhos. Mas muito interessante, já havia portanto a associação de ideias mesmo nos primeiros meses, hoje eu sei, pois só de olhar o tubo, já sabia que aquele líquido causaria me um transtorno desagradável...


Fim do banho e o ritual do enxugamento era bom, igualmente. O contato com a toalha felpuda; o posterior ritual da colocação da vestimenta e o rápido pentear, visto que pouco cabelo havia, tudo agradável.

Muito engraçado, o comportamento dos adultos, notadamente a mãe que era a principal agente desse ritual, mas de outros tantos que pareciam ficar alegres quando tudo consumava-se. Parecia que um alívio instaurava-se entre todos, como se uma missão difícil acabasse de ser cumprida e todos rejubilavam-se ante a conquista.


E você ali, sendo elogiado por estar limpo e cheiroso, não deixava de reforçar o signo do banho como algo além do necessário para o ser humano, mas absolutamente prazeroso e digno de nota entre todos.


Quando crescemos fica óbvio que um mundo sem odores fétidos é desejado pela maioria, mas o banho torna-se algo menos glamourizado, caindo numa rotina, num piloto automático...ou você concebe a ideia de elogiar alguém, ou ser elogiado pela iniciativa de tomar um banho ?
Bem, em certos casos, dá até para pensar na ideia...       

8 comentários:

  1. Hahahahahah adorei!!! Mas pera lá...na nossa época não tinha shampoo Johnson, só tinha o sabonete! e vc nunca foi esfregado de toalha, rapidamente??? sua mãe não tinha unhas compridas que, inadvertidamente, as vezes arranhavam? rss ótimas, lembranças...o último comentário, muito engraçado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que maravilha que tenha gostado da abordagem desta crônica !!

      Agora, sobre o Shampoo, já existia sim...mas como descrevi, não havia uma linha infantil com fórmula que evitasse componentes que gerassem ardência nos olhos. Portanto, usávamos shampoos normais de adultos que haviam no mercado e estes nem esses eram pensados para evitar tal malefício às vistas. Muitos anos depois, quando começaram a surgir shampoos não agressivos aos olhos, isso foi objeto de propaganda da indústria dos cosméticos e logo a Johnson lançou a linha da "Turma da Mônica" para a criançada não chorar mais no banho...

      A questão da unha longa feminina da mamãe a arranhar-me, nunca aconteceu comigo, mas você tem razão, isso é um fato, no geral.

      E sobre o último comentário...tem uns tipos que quando tomam banho, muito de vez em quando, merecem que comemoremos !!

      Excluir
  2. Eu só tenho lembrança de minha mão penteando minha "juba", era um horror, muito cabelo e cacheado, e quanto a elogio por tomar banho é engraçado mesmo, o elogio que recebemos agora é pelo perfume. "Nossa, como estas perfumada(o)!"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro quando o leitor motiva-se a lembrar de suas próprias experiências pessoais. Um dos objetivos dessa linha de crônicas que tenho lançado, visa isso mesmo, ou seja, despertar a auto reflexão, acionando a memória mais remota de cada um, e ao olhar para a primeira infância, buscar a emoção das primeiras descobertas da vida, que geralmente esquecemos, mas que são muito importantes.

      Sobre o que falou ao final do seu comentário, tem toda a razão ! Tornou-se clichê exaltar perfumes quando os sentimos vindo dos outros.

      Grato por ler e comentar !!

      Excluir
  3. Eu continuo associando o banho a prazer e relaxamento, com óleos, xampoos, cremes cheirosos, um momento particular maravilhoso!!����

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente !!

      São poucas as pessoas hoje em dia que pensam no banho como um momento de relaxamento e prazer proporcionado pela água e contato com os variados aromas dos cosméticos. A tendência é tomar banho automaticamente e com toda a pressa, como se isso fosse um estorvo a nos atrapalhar no cumprimento das tarefas básicas do cotidiano.

      Super grato por ler e postar seu comentário !!

      Excluir
  4. Oi, Luiz

    Muito interessante o teu artigo.
    Fez-me voltar ao passado.
    Eu não me lembro muito bem. Minha mãe falou que lavava meus cabelos com sabão de coco!!! Segundo ela, os cabelos ficavam ótimos. Macios e com cheiro de coco.
    Se tinha shampoo Johnson, eu não sei. Mas, para filha de operários, devia ser caro.
    Eu não encaro, atualmente, o banho com um momento relaxante, porque tem que ser rápido, para não gastar muita água. rs*** Mas, adoro tomar banho!!!
    Parabéns, pelo artigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, minha amiga Janete!

      De fato, não existiam shampoos infantis com aromas adocicados e propriedades que inibissem a ardência nos olhos, antigamente. Usava-se o shampoo de adultos que não tinha a preocupação dos fabricantes em evitar irritação nas vistas, ou o que você disse, sabão de coco (diga-se de passagem uma solução muito boa), ou ainda, o sabonete comum.

      Tem razão, não havia pensado nisso, fora o banho de imersão na tradicional banheira com água parada, nos dias atuais pensar no banho como uma experiência de prazer é proibitiva, com a questão da economia de água que se faz premente como ação de cidadania.

      Super grato pela participação sempre gentil !!

      Excluir