terça-feira, 8 de março de 2016

Autobiografia na Música - Magnólia Blues Band - Capítulo 27 - Por Luiz Domingues


Teríamos uma participação especial na semana seguinte, e desta feita se tratava de um artista convidado pelo Alexandre Rioli, quebrando o padrão anterior onde geralmente o Kim tomava tal dianteira de fazer o convite inicial, e numa segunda instância, eu e Carlinhos também fizemos alguns convites em 2014.

Tal cantor se chamava Bruno Mello e era um cantor carioca que também trabalhava em indústria corporativa e estava em São Paulo fazendo uma trabalho por tal empresa, e amigo do Alexandre, aceitou de pronto o convite de vir cantar conosco.

Acostumado a cantar na noite carioca com sua banda, Bruno parecia ser apenas um convidado a mais a entrar na lista dos que convidamos, mas não foi assim o que ocorreu e mal sabíamos, mas seria o início de uma parceria das mais profícuas.

No dia 24 de junho de 2015, Bruno veio e se adaptou rapidamente ao nosso esquema de improvisos totais e apenas pediu para cantar duas canções de fora de nossos planos que o Kim preparou. Uma era uma canção de uma banda pop relativamente moderna, chamada "Keane" ("Everybody's Changing"), e outra canção era uma balada, também, bem Pop radiofônica, igualmente, mas dos anos oitenta, do Whitesnake ("Is This Love").

Ambas eram bem fora do nosso esquadro, naturalmente, mas não haveria nada de mal em incluí-las e naturalmente que nosso convidado tinha apreço por ambas e devia cantá-las com entusiasmo.

A noite foi ótima e lembrou bastante o espírito das noitadas de 2014, embora estivéssemos num formato acústico bastante comedido doravante, e eu naquela situação de debilidade física, infelizmente.

Simpático, comunicativo e muito brincalhão, Bruno Mello estabeleceu sinergia instantânea conosco. Mas até então, quando a noite acabou, não suspeitávamos que essa parceria seria estabelecida de uma forma contínua e não em apenas uma apresentação sazonal.

Nessa mesma noite, o garoto Guilherme Ramazotti apareceu novamente e desta vez veio munido de um violão, sabedor que a Quarta Blues agora não poderia ser mais elétrica.

O rapaz tocou algumas canções conosco, naturalmente, e eu curti ver sua persistência e coragem em querer tocar, não se inibindo em voltar ao Magnólia numa segunda oportunidade, mas sobretudo por não se inibir em se oferecer para tocar com músicos experientes como nós, cinquentões caminhando para a idade sexagenária.
Da esquerda para a direita : Kim Kehl; Luiz Domingues; Alexandre Rioli; Bruno Mello; Guilherme Ramazotti e Carlinhos Machado

Noite de 24 de junho de 2015.
"Feelings", com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=StsvBpU1AzU 
"Rock 'n Roll Lullaby", com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=HWSWCZm8dhk
"Everybody's is Talking" com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=nGZgpLFeTHg

Quando chegou a quarta seguinte, fomos informados que Bruno Mello participaria de novo. Ele estava vivendo uma rotina em sua empresa, de passar a semana em São Paulo e só voltar ao Rio para rever a sua família nos finais de semana, portanto, estando toda quarta disponível, ou quase toda, pois vez por outra teve que viajar à cidades interioranas a trabalho, desfalcando-nos.

Mas foi assim então, meio de improviso e sem alarde, que percebemos que Bruno Mello havia se efetivado como membro da Magnólia Blues Band, praticamente.
"Still you Turn me on", com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=cufa_KP9dVQ
"If" com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=KPEk6xt35L0

E isso era ótimo, pois além de ser um bom cantor, Bruno revelou-se um grande amigo que estabeleceu um entrosamento total conosco.

Sob o ponto de vista musical, sua entrada foi responsável por mudanças na nossa linha de atuação.
"Smile" com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=mzrygMwCG3k 
"Lay Down Sally" com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=qqZcqAAST-g
"Eu ando tão Down" coma Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=AzNvoy3Jw6U 
"Guitar Man" com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=13HNuQP23uw 

Claro que ele curtia cantar e com desenvoltura, clássicos do Blues e do Rock'n Roll, as molas mestras do nosso projeto, mas também propôs a inclusão de muitas baladas e o Kim curtiu essa abertura, pois passamos a tocar certas canções absolutamente inusitadas e que inclusive incorporaram-se também ao repertório dos Kurandeiros.


Coisas como "Rock'n Roll Lullaby"; "Guitar Man"; "Year of the Cat"; "Just the Way You Are"; "I Never Cry"; "The First Cut is the Deepest"; "If"; "Without You"; "Sylvia", "Eu ando tão Down"; e até "Feelings", entraram na base do puro improviso, e foi muito surpreendente verificar como agradaram em cheio ao público.
Aliás, "surpreendente" não é a melhor palavra, pois embora o evento fosse calcado no Blues, o público normal ali presente nunca foi de aficionados radicais, mas eclético, aberto a ouvir música de outras vertentes.
A Magnólia Blues Band em 29 de julho de 2015; Da esquerda para a direita : Kim Kehl: Alexandre Rioli; Bruno Mello; Luiz Domingues e Carlinhos Machado 

Portanto, essa incorporação de tantas canções oriundas de um cancioneiro não necessariamente da raiz do Blues, foi um achado e esse mérito o Bruno teve ao nos propor tais inserções.

E claro, naturalmente que ele as curtia, e elas se moldavam ao seu alcance vocal e timbre.

E até rock progressivo setentista foi anexado...jamais poderia imaginar que tocaria "Still, You Turn me on", do Emerson; Lake & Palmer, numa Quarta Blues...

Muitas canções do Eric Clapton ("Bell Bottom Blues"; "Wonderful Tonight"; "Change the World"; "Layla"; "Lay Down Sally"...), também anexaram-se, mas nesse caso, era tudo material que o Kim tinha na ponta da língua por também conhecer bem a carreira do grande guitarrista inglês etc e tal.

Bem, e assim nossas apresentações foram ficando cada vez mais bacanas.

Tocamos nos dias 1º; 8; 15; 22 e 29 de julho de 2015.

Já muito amigo, estávamos muito entrosados e toda quarta era um prazer contar com sua voz, mas também com sua companhia sempre animada. Foram ótimos os papos; as risadas que demos juntos, os "causos" contados etc etc.

Seguimos firme em agosto, nos dias 5; 12; 19 e 26.

Mais músicas inusitadas foram entrando. Uma versão de "Smile" do Charlie Chaplin, tocada em versão Soul Music era muito agradável de ser executada. Isso abriu caminho para que tocássemos outras trilhas de filmes ("Arthur" e "Everybody's Talking", por exemplo), e claro que era legal.
"Just the Way you Are" com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=EebOL_S0ryk 
"I Never Cry", com a Magnólia Blues band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=hQeLDl8BQMw
"Sylvia" com a Magnólia Blues Band" + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=1RLeR0ugvQw
Luiz Domingues & Osvaldo Vicino : metade do Boca do Céu reunido em 2015, 39 anos depois de sua fundação !!

Ainda em agosto, tive uma visita maravilhosa numa dessas Quartas Blues...Osvaldo Vicino, meu velho amigo, guitarrista da minha primeira banda, o "Boca do Céu", havia dito que gostaria de me rever para colocarmos o papo em dia (puxa, e fora as redes sociais, onde conversávamos desde 2012, aproximadamente, não nós víamos pessoalmente desde 1978, portanto, haja papo para por em dia...

Fiquei muito feliz quando o vi adentrando o Magnólia e mesmo não sendo possível conversarmos muito, foi um grande momento para mim.

Como já salientei no capítulo sobre o Boca do Céu, o primeiro desta autobio, o Osvaldo foi o iniciador de tudo para eu me tornar músico, pois até então, tudo era vago, apenas um devaneio, um sonho etéreo que alimentava desde 1974, 1975...

Graças à ele, em abril de 1976, quando me convidou para formar uma banda "de verdade", foi a porta que se abriu para que eu fosse de fato concretizar tudo etc etc.
Osvaldo Vicino & Luiz Domingues, em 2015, representando o Boca do Céu de 1976 !! 

Que prazer portanto, revê-lo nessa noite e só fiquei chateado por estar em estado de debilidade física, recuperando-me das cirurgias que fizera recentemente e portanto, tocando sentado, de forma comedida.

Seguimos em setembro nessa rotina, tocando nos dias 2; 16; 23 e 30. Somente no dia 9 não contamos com sua presença, devido à suas idas esporádicas para cidades interioranas.

Bruno nos falava sempre que o trabalho na empresa era massacrante, com a devida pressão por resultados que é típica do mundo corporativo. E nesses termos, falava-nos abertamente que o final de semana no Rio com sua esposa e filha, e as quartas cantando com nossa banda, estavam sendo sua válvula de escape para administrar o stress. Imaginávamos o quanto era legal para ele participar e de nossa parte, era sempre um prazer contar com sua presença. 
"Georgia on my Mind"com a Magnólia Blues Band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=hYDiCWDN8KQ
"The First Cut is the Deepest", coma Magnólia Blues band + Bruno Mello

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=fO-UJrIvTsQ

De certa forma, sua figura e sua situação, me faziam recordar do Paulo Eugênio, vocalista da banda Terra no Asfalto onde toquei no longínquo período de 1979-1982. Bruno me lembrava muito o Paulo Eugênio, pelo fator de ser um bom cantor; comunicativo; extrovertido e também por ter uma vida dividida entre a música e o trabalho o mundo corporativo.

Em outubro, tocamos juntos nos dias 7; 14; 21.

No dia 21, além do Bruno Mello, tivemos a presença ilustre do vocalista Willie de Oliveira, ex-back vocalista do Tutti-Frutti e Cães & Gatos da Rita Lee nos anos setenta e posteriormente, vocalista do "Rádio Táxi, nos anos oitenta.

Claro que cantou conosco, também.
Última apresentação de Bruno Mello conosco, e com a visita de Willie de Oliveira, ex-vocalista do Rádio Táxi

Mas infelizmente, o dia 21 de outubro marcou a última apresentação de Bruno Mello conosco, ao menos em 2015.

Terminado seu trabalho em São Paulo com a empresa, Bruno voltaria a dar expediente no Rio de Janeiro e doravante, salvo um novo deslocamento, ou viagem pessoal, não teria mais que estar em São Paulo.

Perdemos o nosso crooner e todos ficamos chateados com sua partida, mas foi algo inevitável.

Dali em diante, Bruno manteve a amizade pela via virtual e sempre posta comentários de apoio ás nossas apresentações, fora brincadeiras etc etc.

Terminou uma Era, mais uma para a Magnólia Blues Band e hoje posso afirmar que essa fase nos deu fôlego para firmar a ideia das apresentações acústicas, portanto, foi providencial o Bruno ter entrado na banda dessa forma inesperada, pois graças à sua presença e influência, um repertório pop de baladas até inusitadas, deu um rumo novo para a banda, segurando a transição que fomos obrigados a fazer pelo fato de estarmos proibidos de usar a eletricidade de outrora.

E no meu caso, tocar Soft Rock no meu estado de saúde claudicante, apresentando-me tocando sentado e sem nenhuma volúpia rocker, veio a calhar esse repertório de FM ao cair da noite...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário