domingo, 6 de março de 2016

Autobiografia na Música - Magnólia Blues Band - Capítulo 25 - Por Luiz Domingues


Quando a próxima edição do Quarta Blues chegou, os efeitos da doença que me consumia já estavam ficando salientes.

Já começando a ficar com aspecto amarelado, por conta da icterícia, que evoluiria ainda mais, e ficaria assustadora, já cogitava me consultar com um médico, mas tal providência só foi ser tomada alguns dias depois.

Mas meu estado já estava preocupante e minha resistência física, portanto, debilitada.

Mesmo assim, foi muito prazerosa a noite em que o jovem guitarrista / baixista, Kalil Bentes, foi nosso convidado especial.

Técnico, criativo e muito participativo, fez da noitada uma apresentação das mais bacanas e revivendo de certa forma, o clima que permeou o projeto em sem nascedouro em 2014, isto é, a presença de um convidado por semana e com grande desenvoltura.

Kalil foi outro convidado que também revelou-se super gente boa e na conversa, nos contou que também era um professor de música, com muitos alunos, e um atleta, sendo praticante de Karatê de alto nível, federado e acostumado portanto a disputar competições oficiais.
"Call me the Breeze" com a Magnólia Blues Band + Kalil Bentes

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=L8ILazClEcw
"Jumpin' Jack Flash" coma Magnólia Blues Band + Kalil Bentes

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=p0spncKO8-0 

Foi inevitável, lhe perguntei se tal atividade radical que muito usa as mãos com violência, não lhe prejudicava como músico e a resposta foi das mais convincentes, explicando-me que tudo era uma questão de jeito e que a parte da força usada nas mãos, tinha na verdade um cuidado para não comprometer os dedos e a possibilidade do esporte gerar uma contusão que o prejudicasse como músico, era nula, praticamente.
Joe Roberts  (usando chapéu preto), em ação com a Magnólia Blues Band + Kalil Bentes
 
Uma visita inesperada e super bem vinda, cantou conosco também, e foi muito legal. Tratou-se de Joe Roberts, um cantor sensacional que tem longa carreira pela noite paulistana. Joe é bastante conhecido pelos seus trabalhos como intérprete de um Bee Gees Tributo, que é um dos mais fidedignos do Brasil e quiçá do mundo. 

Afinado, com muito punch, swing e experiência  de palco, sua presença para uma canja rápida só podia enriquecer a noite, e foi o que ocorreu.  
"Proud Mary" com a Magnólia Blues Band + Kalil Bentes

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=lwvGSQu1Cpo
"Hey Joe" com a Magnólia Blues Band + Kalil Bentes 

Eis o Link para assistir no You Tube :
http//www.youtube.com/watch?v=6buUzL5yV7o   
 
"Mustang Sally" com a Magnólia Blues Band + Kalil Bentes

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=IzMA6NQAssg 

Enfim, foi uma ótima edição do projeto e só não foi melhor pelo fato de que a cada dia, me sentia pior, fisicamente e com tais incômodos, realmente é impossível manter o foco inteiramente na música.
Da esquerda para a direita : Kim Kehl; Kalil Bentes; Alexandre Rioli; Carlinhos Machado e Luiz Domingues

Noite de 4 de março de 2015.  

Na semana seguinte, recebemos o guitarrista Fernando Alge. Muito amigo do Kim de longa data, Alge já estava convidado há bastante tempo, mas a oportunidade ainda não havia surgido na agenda dele, e só agora em março de 2015, foi possível tal concretização.

Guitarrista de boa técnica e repertório amplo, Fernando Alge foi mais um dos músicos convidados desse projeto que ao plugar sua guitarra no amplificador, mostrou-se absolutamente à vontade conosco e vice-versa.  

 
"Black Cat Moan" com a Magnólia Blues Band + Fernando Alge

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=-3rUTJLDg-g
"Double Trouble" com a Magnólia Blues Band + Fernando Alge

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=nUwnZreUtCI
"Further on up the Road" com a Magnólia Blues Band + Fernando Alge

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=o-kB5iXcEN0
"Stand by Me" com a Magnólia Blues Band + Fernando Alge

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=2FX9jFOsyxQ
"Train Kept a Rollin'" com a Magnólia Blues Band + Fernando Alge

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=2_I9HTWcl-M

Parecendo que era um membro da nossa banda, tamanha a sua adaptação instantânea, tornou a edição, das mais agradáveis.

Isso sem contar o fato de que era / é gente boa ao extremo, portanto, sua humildade e generosidade nos cativou de imediato.

Cris Stuani apareceu de surpresa e cantou conosco, naturalmente.  

Noite de 11 de março de 2015.

Já na noite de 18 de março de 2015, fizemos uma edição sem convidados. Nem mesmo o tecladista Alexandre Rioli participou dessa noite, portanto, enfrentamos a noite com o trio base dos Kurandeiros, Kim-Carlinhos-Luiz.  

Nessa altura, eu já havia passado muito mal e tinha ido passar no PS de um Hospital. Mal diagnosticado por uma médica cardiologista desse hospital de luxo e renome (pasmem), minha situação estava piorando a cada dia e isso motivou que eu me consultasse um médico particular e me submetido à uma batelada de exames. 

Aguardava o resultado de tais exames, mas estava com um mal estar horrível e minha aparência estava assustadora, tamanha a coloração amarela da minha pele e olhos, devido à icterícia.

O médico suspeitava de hepatite, mas deixou claro que podia ser uma colelitíase, também, portanto, era forte a possibilidade de ter que operar com urgência. Indo além, me disse que podia ser ainda pior, pois se uma invasão de bílis proveniente da vesícula e do fígado, chegasse ao duto biliar e pâncreas, eu corria risco de vida.
Paulo Krüeger tocando com a Magnólia Blues Band e eu atrás, sentado, tentando colocar o meu baixo no cavalete, com dificuldade. Ainda bem que a foto está escura, pois minha cor de pele e olhos nesse dia estava assustadora...
 
Ainda esperando os exames, mas já aconselhado a fazer repouso absoluto, participei de mais uma edição do Quarta Blues com a Magnólia Blues Band, em 25 de março de 2015 e pior ainda, mais um show dos Kurandeiros, no dia 27.

Sobre o show dos Kurandeiros, que foi o último que fiz antes de ser internado e submetido a duas cirurgias de emergência, já falei amplamente no capítulo dessa banda.

Aqui, foco na edição desse dia 25, quando me dirigi ao Magnólia Villa Bar pilotando o meu automóvel, mas sentindo um forte mal estar. Mesmo só levando meu baixo, pois o meu amplificador ficara com o Kim num gesto de extrema boa vontade em ajudar-me, evitando assim que eu carregasse peso e de fato, estava proibido por ordem médica e mesmo que quisesse, sentia-me fraco e com dores.

Nessa noite em específico haveria uma festa fechada e o nosso evento ficou encaixado de forma estratégica, pois o organizador da noite era um velho amigo em comum para todos os membros da Magnólia Blues Band : Paulo Krüeger.  
O grande Paulo Krüeger : ótimo músico, e um ativista cultural rocker ultra entusiasmado

Baixista da banda de Southern Rock / Blues Rock, "Cracker Blues", Paulo é meu amigo desde o início dos anos 2000, e o considero um ótimo músico, e um cara excepcional pelo caráter; capacidade de ser solidário; generoso, e também por ser um apaixonado pelo Rock, mostrando-se um agitador cultural dos mais ativos.

Claro que Paulo tocaria conosco, mas não era necessariamente o convidado do dia, como nos moldes tradicionais do nosso projeto. Tanto que nem se preocupou em tirar músicas do nosso repertório base, comprometendo-se a tocar poucas canções.

Gentil como sempre, havia levado seu set up de shows, mas acabei usando meu próprio amplificador, nesse caso um cubo mais leve do que o gabinete dele.
Medley BR Rock com a Magnólia Blues Band + Paulo Krüeger

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=rsKMR8t3PI8

Fiz a entrada sentado, pois não estava aguentando ficar em pé, muito debilitado e me sentindo mal. Toquei, mas nem de longe foi uma apresentação boa para mim em termos pessoais. Sei que essa edição foi ótima pelo bom público presente (até surpreendente, eu diria, com mais de setenta pessoas presentes), e também pelo entusiasmo do Paulo Krüeger, que foi o responsável pelo sucesso da noite, tanto pela produção quanto pela sua participação animada, tocando conosco.  
"Minha Vida é o Rock'n Roll" com a Magnólia Blues Band +`Paulo Krüeger

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=0OhoKTREu6k

Pelo meu estado lastimável de saúde naquela noite, hoje eu me arrependo de ter participado dessa edição, porque eu tinha noção de que estava mal, mas dias depois com o diagnóstico definitivo em mãos, tomei ciência de que era muito pior do que imaginava e assim, estava correndo risco de vida e tinha mais é que estar internado num hospital e não fazendo apresentação num palco.

Bem, como já salientei nos capítulos sobre Kim Kehl & Os Kurandeiros e Ciro Pessoa e Nu Descendo a Escada, a doença/internação/cirurgias e lenta recuperação posterior prejudicou essas bandas citadas, além do Pedra e do Magnólia Blues Band. Sobre o Pedra, era uma banda em que as coisas estavam paradas naquele instante e logo após o início da minha recuperação, acabei deixando-a, como já expliquei no seu capítulo específico. E sobre os Nudes de Ciro Pessoa, também vivia um momento sem atividades concretas.

Portanto, minha doença prejudicou mais decisivamente os Kurandeiros e a Magnólia Blues Band.

Para saber com maiores detalhes o que me ocorreu nesse período, deixo o link de uma matéria que escrevi e publiquei no meu Blog 1, mas sem alardeá-la na internet /redes sociais, como outras matérias que escrevo regularmente, mas sim com o intuito de deixar no ar o meu agradecimento sincero aos médicos; enfermeiros e técnicos do Hospital São Paulo, que salvaram a minha vida.

Eis o link para ler tal relato :

http://luiz-domingues.blogspot.com.br/2015/10/nao-e-por-ma-vontade-dos-profissionais.html

Sobre a noite de 25 de março de 2015, foi a última para mim na banda sob tal formato, pois com minha ausência forçada, eles se mobilizaram para manter de pé o projeto, convidando baixistas para me substituir, caso de Sérgio Luongo; Rey Bass e Alê Bass, os quais agradeço pela força, é claro !

E quando eu voltei a atuar com a banda, o formato do projeto havia mudado, mas sobre isso eu falo posteriormente.
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário