sábado, 20 de fevereiro de 2016

Autobiografia na Música - Ciro Pessoa & Nu Descendo a Escada - Capítulo 38 - Por Luiz Domingues

 

A casa noturna onde o evento transcorreria, chamava-se "Delirium Café".

Bem montado e bem localizado, parecia atender a um tipo de público classe média alta em essência, pela ambientação, mas sobretudo por ser uma casa especializada em bebidas alcoólicas estrangeiras e caras na sua carta habitual.

O palco era de um porte até razoável em se considerando que a casa não tinha o costume de promover shows musicais regularmente, mas apenas de forma sazonal. Mas havia um problema grande ali : não havia P.A.; iluminação e a estrutura de energia era pífia, portanto preocupante para nós.

Bem, sobrou para o Kim que teve mais uma vez que pensar em levar seu P.A., o que dava uma baita dor de cabeça extra.

De minha parte, como já estava tocando com os Kurandeiros e a Magnólia Blues Band regularmente, estava incomodando os amigos em ter que carregar meu backline, portanto, mais uma vez teria que contar com a boa vontade deles.

Cheguei ao estabelecimento antes de todos. Fui bem recebido pela hostess da casa, mas notei o despreparo para lidar com espetáculos musicais, assim que cheguei ao palco, pois haviam sofás colocados ali e a moça mostrou-se surpresa quando lhe pedi que eles fossem retirados, pois era óbvio que não caberia nosso equipamento e nem nós...  

Os companheiros chegaram e com os sofás desobstruindo o palco, montamos tudo e fizemos o chamado "autosoundcheck", comprovando que conseguimos imprimir uma qualidade sonora mínima, e assim ficamos mais seguros de que o show teria um áudio legal.

A casa foi recebendo o seu público, e muita gente interessada no show ou no livro do Ciro, também foi aproximando-se.  

Num dado instante, o Ciro foi para a mesa de autógrafos e foi bastante procurado por seus fãs que compraram seu livro e aproveitaram o ensejo para garantir seus autógrafos.  
                    Ciro e sua bela assistente, Antonia Pessoa

Vi muitos jornalistas presentes e Claudio Willer veio sim, uma grande honra para todos nós.  
Encontro de poetas surrealistas : Ciro Pessoa e Claudio Willer

O lado mau disso tudo é que a casa queria que o show começasse tarde, o que tornou a espera cansativa, e na ausência de um camarim, ficar ali na multidão com o som mecânico relativamente alto, gerou um certo stress mental para todos.

Dois psicodélicos inveterados : Ciro Pessoa & Luiz Domingues

Eu particularmente, detesto ambientes barulhentos, por natureza. Sei que as pessoas acham isso engraçado e de certa forma paradoxal por eu ser Rocker, e estar acostumado a fazer shows de Rock, eu na verdade detesto barulho, e jamais frequento casas noturnas por esse motivo, e também por ser abstêmio, portanto, tendo a cansar rapidamente em ficar em lugares assim.

Mas chegou a hora e lá fomos nós...

A sonoridade e o punch do show foram muitos bons, embora tenhamos todos cometidos errinhos bobos cada um individualmente, mas facilmente contornáveis.

O fato de eu; Kim, e Carlinhos tocarmos em outras duas bandas que tem o Blues e o Rock como pilares, e o improviso total como modus operandi, fez com que nosso entrosamento natural ficasse a favor dos Nudes, também.

Muitos fãs dos trabalhos do Ciro com Titãs e Cabine C; e também de seus discos solo estava ali presente, mas haviam também fãs que admiravam-nos por nossos trabalhos em outras bandas.

Um rapaz em específico, chamado Raphael Rodrigues, que costumava aparecer em shows dos Kurandeiros e já o havia visto em shows do Pedra. Nesse dia, levou muitos discos para eu autografar de trabalhos que fiz com outras bandas. Havia na mesa em que sentou-se, discos da Patrulha do Espaço; A Chave do Sol; Pedra; Kim Kehl & Os Kurandeiros, e até do Pitbulls on Crack...

Mais que isso, esse rapaz mostrava-se fã dos trabalhos do Ciro também, e pediu várias músicas para tocarmos de seus discos solo, além dos trabalhos dele com os Titãs e o Cabine C.
Lembrando foto do LP do Festival de Woodstock, a pequena Antonia Pessoa passeia pelo palco, antes do show

Apesar da psicodelia e das letras surreais, o público curtiu e não houve nenhum sinal de rejeição da parte dos habitues que estavam ali alheios ao lançamento do livro "Relatos da Existência Caótica" ou do show de Ciro & Nudes.

Pelo contrário, se não houve uma ovação, eu diria que da parte de quem estava ali alheio até a entender quem era o Ciro, e muito menos nós, a reação foi bastante respeitosa, com aplausos.  
Um resumo do show de Ciro Pessoa & Nu Descendo a Escada no Delirium Café, em 23 de outubro de 2015. Filmagem de Jani Santana Morales

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=cBvVCf5wF6A

Missão cumprida, agora era aguardar por novas oportunidades e logo teríamos a novidade de se começar a cogitar a gravação de um álbum.

Mas na prática, novidades só viriam mesmo no início de 2016, e seria uma oportunidade de usar o clichê : temos duas notícias, uma boa e outra ruim...qual você quer ouvir primeiro ?

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário