sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 158 - Por Luiz Domingues


Diogo Oliveira era sabidamente por todos nós, um artista multimídia, sensacional.

Artista plástico; desenhista; web designer; publicitário e músico multiinstrumentista, não só pelos talentos todos arrolados, mas também pela enorme criatividade e cultura avantajada que tinha / tem, o credenciava como praticamente um gênio a meu ver, e eu não sou dado a exageros indevidos, portanto, amigo leitor, tal consideração de minha parte tem sua razão de ser.

Portanto, com tais características tão acentuadas, era óbvio que quando ele assumiu a criação e produção do vídeo-clip que representaria a música "Cuide-se Bem", ficamos descansados quanto à qualidade que ele imprimiria em tal produção. Contudo, quando vimos o resultado, ficamos chocados com a constatação de que superou muitíssimo a nossa mais otimista das expectativas...

O clip é simples de certa forma, mas de uma criatividade absurda, que tranquilamente poderia pleitear participar de festivais de curtas e até mesmo entre peças publicitárias, excetuando-se o fato de não ter uma metragem padrão, nesse caso.

Tratando-se de um misto de ilustrações e interação humana, ficou singelo, quase como uma animação infantil, e dessa forma, capaz de encantar as pessoas pela sua delicadeza na abordagem.

Focado numa ideia de basear-se num livro, como se evocasse mesmo livrinhos de histórias infantis, quatro mãos humanas vão virando as páginas manualmente, interagindo com os desenhos que  acompanham a letra da música.

A banda participa da animação, mas sem mostrar o rosto dos seus componentes, apenas mostrando mãos e braços no ato de tocar instrumentos, com imagens que foram capturadas no estúdio Overdrive, e inseridas num desenho muito lúdico, de um velho monitor de TV.

Absolutamente criativo, tenho a opinião de que se trata de um clip muito bonito e que realçou a música e nossa versão em específico, valorizando-a de uma forma muito intensa.
O festejado vídeo-Clip de "Cuide-se Bem"

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=rf-VQpsLgQk


Diogo Oliveira brilhou muito e confirmou pela bilionésima vez se tratar de um artista genial.

Honra seja feita, um colega publicitário de Diogo, é creditado como coprodutor, chamado Dedé Kanashiro, e de fato, este o ajudou muito nessa produção, sendo inclusive vital como participante direto, pois suas mãos aparecem dando apoio às mãos de Diogo Oliveira, no clip em si, manipulando o livro e outros objetos cênicos que foram usados.

Não posso mensurar se Dedé teve uma cooperação ainda maior no campo das ideias, nunca soube disso. Mas se tiver essa participação maior, fica registrado aqui que a pecha de genialidade que coloquei sobre os ombros de Diogo Oliveira, lhe cabem, também.

O clip foi lançado no fim de outubro de 2010 e foi um estouro. Alcançando muitos views no You Tube e espalhando-se nas redes sociais de uma forma contundente, chamou muito a atenção e deu-nos um óbvio alento.

No meu caso em específico, a enxurrada de manifestações que recebi, principalmente na extinta Rede Social, Orkut, foi extraordinária. O Orkut vivia dias de desprezo por muitas pessoas que o abandonavam diariamente, mas o meu perfil era muito ativo e movimentado, porque eu não embarquei nessa onda de vilipêndio e o mantive muito vivo, até o seu último dia de atividade, em 2014.

Por isso, recebi seguramente mais de 100 comentários de pessoas encantadas com a qualidade do clip e em sua maioria, amigos virtuais que havia conhecido ali mesmo.

Alguns dias depois de lançado, verificamos com muita alegria que o próprio Guilherme Arantes se manifestou, deixando uma bela mensagem de apoio para nós e demonstrando publicamente o seu contentamento com nossa versão.

Para todos nós, foi motivo de orgulho e satisfação em verificar tal manifestação sincera do autor da canção, e um artista que muito admirávamos.

Indo além, Guilherme era / é um dos poucos artistas que já habitou o mainstream com bastante desenvoltura a denunciar abertamente a manipulação de opinião que vilipendiou a música e o Rock em específico, a partir do final dos anos setenta, criando um paradigma mentiroso e que como consequência, gerando um repúdio à música feita com qualidade, caso da obra dele, por exemplo.

Numa entrevista de página inteira que concedeu à Folha de São Paulo (que irônico, justamente na Folha de SP, um dos órgãos mainstream de imprensa mais comprometidos com a mentalidade pró-Punk '77...), quase na mesma época em que lançamos a nossa versão de sua música e com signos ultra setentistas nesse sentido, Guilherme desceu o pau nisso que falei acima e denuncio desde 1977, e o leitor bem atento de minha autobio já leu minhas considerações sobre o assunto, amplamente.

Portanto, o fato de Guilherme ter curtido com tanto entusiasmo a nossa versão, e posso afirmar sem exagero que nossa releitura de sua canção é quase como o Led Zeppelin a leria, também, portanto, é perfeitamente coerente com suas convicções, das quais concordo inteiramente.

Sempre achei que as correntes derivadas do Punk, notadamente as do Pós-Punk, flertavam fortemente com o nazi-fascismo, mesmo que algumas se coloquem como anti nazi-fascistas, caindo assim em contradição. Guilherme falou isso claramente ao atacar a produção musical oitentista, a base do "Br Rock 80's", pobre musicalmente e em alguns casos, como ele realçou, baseadas em signos de absoluto baixo astral. Perfeito, mestre...assino embaixo.

Mais que essa manifestação pública, Guilherme foi ultra simpático conosco ao nos abordar em E-mail, reiterando o seu agrado com a versão da música, o clip belíssimo e mais que isso, se colocando à disposição para tocar conosco em um show, como convidado especial (mais do que especial, é claro), e indo além, oferecendo seu estúdio na Bahia, onde morava para a nossa banda gravar quando quisesse.

Leia abaixo a postagem pública que Guilherme deixou no You Tube, na postagem do clip de nossa versão de sua canção :


"A versão da Banda Pedra é absolutamente fantástica, um som maravilhoso, muito bem tocado e cantado, com estilo impecável, um luxo de verdade. 

Fiquei muito orgulhoso e feliz desses músicos, com essa pegada "mortal", estarem interpretando essa musica minha, num resgate inesquecível para mim. 

Queria que soubessem o quanto eu gostei e fiquei honrado com essa gravação e o clip super bem realizado. Uma experiência única para o criador da musica.  

Por favor , poste este meu comentário por mim , até como testemunha do quanto eu fiquei grato a eles".

Guilherme Arantes

Puxa, que sucesso total ter essa consideração toda da parte dele, ficamos muito contentes.

Dois dias depois do Guilherme nos abordar publica e pessoalmente, tivemos uma entrevista na webradio, Stay Rock. Entrevistados via skype pelo músico e ativista cultural, Cezar Bastos, eu particularmente cometi uma gafe imperdoável.

Ao citar o nome da Webradio, agradecendo pela entrevista, me enganei e citei o nome de uma outra emissora, por sinal, concorrente ferrenha da emissora nesse nicho das Rádios Rock de internet...

Por sorte, o Cezar Bastos levou na brincadeira e percebeu que eu fora traído por uma informação errada disponibilizada pelo Xando que enquanto eu falava, entregou-me uma anotação com o nome da outra estação, por engano...

Foi hilário, apesar de trágico...aconteceu em 29 de outubro de 2010...

Eis abaixo, o Link dessa entrevista na Webradio Stay Rock :

http://stayrockandroll.blogspot.com/2010/10/stay-rock-brazil-mes-de-outubro-2-anos.html
 

Uma velha amiga, e produtora que eu admirava muito por trabalhos muito bem feitos realizados numa banda da qual fui componente décadas antes, quando se manifestou para falar sobre o clip de "Cuide-se" Bem", acionou-me para uma conversa reservada via "depoimento", no velho Orkut e mostrando-se impressionada com a banda, demonstrou querer conhecer mais o nosso material, e chamou-me para uma conversa pessoalmente em seu escritório. 

Uma luz no final do túnel, enfim ?

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário