domingo, 24 de janeiro de 2016

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 163 - Por Luiz Domingues


O primeiro compromisso desse nível, foi bastante desagradável para o meu caso, pois o fato de ter aceito a resolução dos demais e estar resignado, não queria dizer que estava de acordo com a decisão tomada à minha revelia. Encontramo-nos no estúdio Overdrive, e juntos fomos ao estúdio da TV Comunitária, para participarmos do derradeiro programa de TV que faríamos juntos. Era o simpático programa "Em cartaz", apresentado pelo ótimo Atílio Bari, um raro comunicador culto e muito bem intencionado. 

        O Pedra em foto promocional de 2008. Foto : Grace Lagôa 

Era o dia 3 de fevereiro de 2011, e pelo caminho, no carro do Xando, os três conversavam animadamente sobre seus planos pessoais, e eu quieto fui pensando no quanto o fato do Pedra estar finalizado não incomodava-os e pelo contrário, eu era o único que achava tal resolução errônea. Fizemos o programa e pelo vídeo, acho que consegui disfarçar bem que estava chateado, mantendo uma postura profissional ao máximo, e nessa altura do campeonato, caminhando para os cinquenta e um anos de idade, e quase trinta e cinco de carreira, não poderia ser de outra forma...
Acima, a parte 1 do programa "Em Cartaz". Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=Aq0ORIGz1Nc
Acima, a parte 2 do programa "Em Cartaz". Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=Ibs0UVqWppo

Acima, a parte 3 do programa "Em Cartaz". Abaixo, o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=mzBER5AYj5M

Tais vídeos postados acima, mostram apenas as músicas que tocamos ao vivo naquele esquema semi acústico, e com o Ivan usando um instrumento de percussão, simulacro de bongô, que mais era um enfeite do que instrumento, mas nas suas mãos criativas como percussionista, conseguiu usá-lo de forma convincente, e isso chega a ser engraçado. Se um dia eu arrumar o vídeo completo, contendo a conversa com Atílio Bari, posto no You Tube, certamente.
            Uma visão geral do maior salão do Melograno Bar 

O último ato dessa banda ocorreria no Bar Melograno, em abril de 2011, mas mesmo assim, de forma capenga, melancólica, infelizmente. Passou fevereiro e março de 2011, com as inevitáveis consultas de muitas pessoas pelas redes sociais, querendo saber se era verdade se a banda havia encerrado as suas atividades, expressões de lamentos etc. Mas havia um último compromisso a ser cumprido, e pela carga emocional nele envolta, era quase impossível recusá-lo, mesmo tendo em vista que a banda estava acabada. Seria uma apresentação curta, caracterizando um show de choque numa casa noturna chamada "Melograno Bar", um estabelecimento bem montado, ao menos na sua parte social (bem entendido, a parte estrutural para apresentações musicais era muito limitada), no bairro da Vila Madalena, na zona oeste de São Paulo, onde o meu amigo e ex-companheiro de Boca do Céu e Língua de Trapo, Laert Sarrumor, era o curador de um projeto chamado "Harmonizasom", fazendo a programação semanal, priorizando a inclusão de artistas da MPB, alguns famosos e a maioria, emergentes, além de fazer shows regulares de um combo do Língua de Trapo alternativo e pocket, chamado "Os Três do Língua", com ele, Laert; Serginho Gama, e Cacá Lima apresentando-se de forma acústica e intimista, interpretando músicas do Língua de Trapo. Nesse contexto, Laert convidara o Pedra ainda em 2010, e haviam dois componentes emocionais nesse convite : primeiro, o fato de que ele tinha grande apreço pelo trabalho da nossa banda e posso dizer que de todas as bandas por onde passei, fora as em que trabalhamos juntos, o Pedra foi a que ele mais gostou e incentivou abertamente, dando muita força, sempre que foi possível. O segundo elemento, foi que por conta de uma namorada que o Rodrigo tinha nessa época, e que era / é muito amiga do Laert e também da sua esposa, Marcinha; além dos outros componentes do Língua de Trapo, chamada Luciana Pandolfe, Laert tornara-se muito amigo dele, Rodrigo, também. Diante dessa carga emocional criada por uma teia de amigos em comum, era impossível recusar o convite e assim, quando a data foi confirmada, Rodrigo contatou-me, assim como o Ivan Scartezini, eu confirmei presença. A ideia era fazer um set de choque e acústico, nos moldes do que fizemos em fevereiro no programa "Em Cartaz", sem nenhuma complicação maior e sem a necessidade de realizar ensaios prévios. Entretanto, ficamos sabendo que o Xando alegou que não tinha interesse em participar. Dessa forma, eu; Ivan e Rodrigo fizemos um melancólico show de choque, acústico e esvaziado sem a presença do Xando, como última apresentação da banda, e portanto, curiosamente sem a presença de seu membro fundador e aglutinador primordial... 

O Pedra desfalcado de Xando Zupo e numa apresentação intimista, ultra simplificada e lastimavelmente a última, ao menos de sua primeira fase (25 de abril de 2011), coisa que ninguém ali imaginaria que houvesse uma "volta". Foto : Sandra Lozano

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário