sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Autobiografia na Música - Pedra - Capítulo 177 - Por Luiz Domingues


Enquanto as sessões de overdubs da gravação do novo álbum transcorriam, o clima estava azedando novamente, pois a agenda estava fraca e não haviam perspectivas a curto prazo para sanar essa carência histórica que essa banda ostentava.

Uma pequena luz surgiu no final do ano de 2013, no entanto, quando o produtor/lojista, Luiz Carlos Calanca nos ofereceu uma nova data no teatro da Galeria Olido, onde já havíamos tocado uma vez em 2009.  

As condições seriam as mesmas de sempre, no entanto, na base do "show sem cachet como investimento de carreira"...sei que não era culpa do Calanca, um cara que admiro e considero um bom amigo, mas eu naquela altura, com 53 anos de idade nas costas, enfrentando pela bilionésima vez esse tipo de situação, era no mínimo risível, já que de tão acostumado a lidar com isso na carreira, eu já nem me indignava mais.

Cachets milionários são pagos a rodo em inúmeras ações culturais perpetradas pelas secretarias de cultura, municipal e estadual, para uma privilegiada rodinha de artistas que batem ponto em eventos múltiplos por elas patrocinados, mas outros que não são "darlings do Rei", realmente devem se contentar com a "grande chance" de se apresentarem de graça, "investindo" na sua carreira. Pois é...vai que um mecenas poderia passar na calçada naquele momento e resolvesse entrar, impressionando-se com a apresentação da sua banda, e o contratasse para fazer uma turnê mundial abrindo os Rolling Stones ?

Desta feita, porém, o Luiz Calanca nos garantiu que não repetiria o erro de 2009, e só produziria o show com duas bandas. E para melhorar ainda mais as coisas, nos deu carta branca para indicar a banda que participaria conosco, e nós indicamos o The Suman Brothers Band.

Alguns dias antes do evento, eu e Xando fomos ao centro da cidade para olharmos o teatro, e o equipamento havia de fato melhorado, nos dando a impressão de que poderíamos fazer um espetáculo ainda melhor que o de 2009, pelo aspecto técnico, pois o fato de haver mais tempo hábil desta vez, já seria uma garantia de melhora.

Fizemos a nossa propaganda maciça, assim como Calanca e o pessoal do Suman Bro's, mas na véspera do show tivemos uma notícia constrangedora : a Secretaria Municipal de Cultura queria cancelar o evento, e nem havia uma explicação plausível para tal. O Calanca ficou enfurecido, pois era o curador do evento e sentiu-se logicamente desprestigiado, totalmente.

Com muita briga, manteve o evento confirmado, mas a Secretaria resolveu antecipar o início do show em uma hora. Essa demonstração da parte deles, era mais do que arbitrária, agindo à nossa revelia, mas revelara-se um empecilho impressionante para nós que estávamos há quinze dias martelando a divulgação do show.
                                     Foto : Grace Lagôa

Além de contrariar o serviço disponibilizado nos cartazes virtuais espalhados em mais de 30 redes sociais de Internet, sites e blogs, tornava a correção impossível quando fora anunciada na véspera.

Isso geraria uma confusão tremenda e muita gente fatalmente perderia o show do The Suman Brothers Band, e grande parte do nosso.
                                    Foto : Grace Lagôa

Isso fora nos subtrair uma hora, o que certamente atrapalharia ainda mais o soundcheck, quase sempre caótico em teatros do poder público, e sua burocracia interna massacrante.

Calanca estava muito chateado, mas com o espírito de que o horário antecipado era uma grande palhaçada amadorística nos imposta goela abaixo, mas era um mal menor diante da possibilidade real de que o show tivesse sido cancelado sumariamente, como desejavam.
                                    Foto : Grace Lagôa

OK, ele tinha razão, melhor absorver esse prejuízo a engolir um cancelamento, no que teria sido muito pior.

No dia do show, nos mobilizamos para chegar cedo ao local, já prevendo a morosidade para abrirem o teatro e os técnicos chegarem e se colocarem à nossa disposição. Desta vez, teríamos Molina & Sprada para operar luz e som, respectivamente, e isso nos dava um alento e tanto.
                                    Foto : Grace Lagôa

Contudo, o técnico de luz ficou bem incomodado com a presença do Molina e chegou a ir procurar o diretor do teatro para "reclamar" da situação, o que foi uma das coisas mais bizarras que eu já vi, pois de que planeta esse sujeito veio onde um profissional que trabalha exclusivamente para um artista não pode atuar, com o sujeito se arvorando de ser "intocável" ali ?
                                      Foto : Grace Lagôa 

Já o rapaz do som agiu bem mais profissionalmente e atendeu bem o Renato Sprada, lhe dando todo o tipo de apoio para poder operar o equipamento.
Recebendo a visita de Will Dissidente no soundcheck do Teatro Olido. Fotos : Zé Brasil

Recebi uma agradável visita no camarim, e já sabia que essa pessoa ali apareceria na hora do soundcheck, pois me avisara pela Rede Social, Facebook. Tratava-se de Will "Dissidente", o rapaz que administra o Blog A Chave do Sol, que é um verdadeiro museu da minha ex-banda dos anos oitenta.
                                   Foto : Grace Lagôa

Ele tinha compromissos, e não assistiu o show do Pedra, mas foi bem bacana receber sua visita ali.
                                        Foto : Zé Brasil

Com Sprada operando o P.A., tínhamos a certeza de que o show teria pressão de show de Rock e com Molina fazendo a luz, claro que o visual estava garantido. Se bem que ele avisou que graças ao clima péssimo que encontrara com o energúmeno do iluminador do teatro tendo chiliques de Diva histérica, não teria cooperação para fazer o melhor que ele sempre queria fazer para nós. Mesmo limitado por fatores alheios à sua vontade, Molina era sempre excelente, muito acima da média de uma iluminador comum.
                                    Fotos : Naty Farfan 

A convivência com o The Suman Brothers Band nos camarins era ótima. Amigos de ótima qualidade e agora tendo Diogo Oliveira em sua banda como componente, melhor ainda.
Um pequeno vídeo dos bastidores desse show, mostrando o clima de camaradagem entre as duas bandas e com Xando Zupo recebendo um disco duplo e raro do Deep Purple

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=AAwqPQf-Ub4  

Nosso soundcheck foi bacana e quando entregamos o palco para os irmãos Suman fazer seu apronto, o Victor acabou usando o meu baixo Fender Precision, e lhe caiu tão bem e à sonoridade da banda, que ele o usou no seu show. De fato, acho o estilo de Victor Suman, muito parecido com o do saudoso Rick Danko, e não por acaso, The Band era mesmo referência no trabalho deles, e coincidentemente, eles iriam tocar uma releitura de uma música da The Band e que eu adoro, chamada : "Cripple Creek".
                                   Foto : Thomas Lagôa

Quando o soundcheck estava se encerrando, já estava quase na hora de abrir a porta para o público entrar e isso comprovou a nossa tese de que a antecipação inventada pela Secretaria de Cultura, fora um grande erro, pois não havia muita gente na fila, exatamente porque a maioria esmagadora contava com o horário de uma hora mais tarde, conforme anunciado na divulgação que fizéramos.

Mais uma vez o Xando mobilizou uma tropa de amigos para capturar imagens visando fazer um vídeo do show completo com muitas possibilidades para uma eventual edição. Medida correta, a meu ver.  
The Suman Brothers Band em ação, no Teatro Olido. Foto : Grace Lagôa

O show do The Suman Brothers iniciou-se, e todos nós assistimos da coxia. Estava muito legal o som de onde ouvíamos e a banda estava numa performance matadora. Sinceramente me senti no auditório Filmore, vendo a The Band tocar para em seguida o The Allman Brothers Band entrar em cena e eu tocando com Greg Allman; Dickey Betts & Cia...

Cheguei a falar isso para o Calanca, que concordou e curtiu o meu devaneio Rocker e do qual ele compartilha das mesmas ideias, certamente.

O The Suman Brothers Band terminou o seu ótimo show e sim, a versão de "Cripple Creek" que executaram, foi adorável...

Só não estava curtindo o público em pequeno número e claro, amaldiçoando os energúmenos que mudaram o horário do show na véspera, sabotando-o completamente.  
"Cuide-se Bem" no Teatro Olido em 14 de novembro de 2013

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=1lecg4Myh98
"Longe do Chão" no Teatro Olido em 14 de novembro de 2013

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=wr9N63hRyYE

Subimos ao palco e o público havia melhorado, mas não lotava o teatro e pelo contrário, apresentava cadeiras vazias em vários pontos. Não deixei que essa visão desalentadora prejudicasse a minha performance pessoal, mas claro que pensei que além da confusão de horário, o baixo comparecimento era quase uma afronta às duas bandas.
                                  Foto : Bolívia & Cátia

Tratava-se de um show num sábado no período da tarde; o ingresso era gratuito; o teatro todo arrumadinho; som e luz de bom nível; duas bandas de muita qualidade; localização no centro velho de São Paulo, cercado por duas estações de metrô e dezenas de linhas de ônibus e finalmente, era um dia quente de primavera, sem possibilidade de chuva e pelo contrário, um dia super ensolarado...ora, por que aquele teatro não estava totalmente lotado, e com gente do lado de fora tentando entrar ?

Bem, conjecturas a parte, o show foi de uma energia incrível. Segundo Rubens Gióia que estava ali presente, foi um autêntico "Concerto de Rock", como nos velhos tempos.

José Luiz Dinola também foi nos visitar mas não assistiu nem uma música, porque traído pela antecipação do horário, chegou no fim, quando já estávamos no camarim recebendo os amigos e fãs.

Mais uma vez isento o Luiz Calanca totalmente pelos desmandos da Secretaria e de fato, ele também fora vítima, tendo ficado muito aborrecido com os acontecimentos chatos que sabotaram o show, mas justiça seja feita e não estou contemporizando a estupidez que foi essa antecipação gerando anti clímax, mas o público desapontou, com antecipação ou não.

Claro, no domingo, o Facebook da banda e os perfis pessoais de todos ficaram lotados de gente afirmando que "perderam" um showzaço das duas bandas e que queriam saber onde seria o próximo, que dessa vez, não perderiam...um fenômeno típico de internet, era um misto de preguiça com escárnio, que virou comportamento padrão para muitos...

Aconteceu em 9 de novembro de 2013, no Teatro da Galeria Olido, em São Paulo. E cerca de 200 pessoas sentaram-se para nos assistir e ouvir.
Show completo do Pedra no Teatro Olido, em 9 de novembro de 2013

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=DEVtfzCfjh0

Continua..

Nenhum comentário:

Postar um comentário