segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 264 - Por Luiz Domingues


Mais matérias e entrevistas continuavam saindo, eis mais alguns exemplos :
Na revista Modern Drummer, nº 9, de setembro de 2003, o jornalista Felipe Cirelli entrevistou o Junior, e a conversa girou mais em torno dos timbres e concepção de gravação da bateria no novo álbum, e alguns aspectos gerais sobre a sonoridade e estética adotada pela banda.
 
Muito boa a reportagem sem assinatura do autor, mas pelo teor e estilo, parece ser obra de Marcos Cruz, colaborador do Portal Wiplash e editor das revistas Rock Made in Brazil e dessa "Metal Massacre".

Ele observou tudo, da capa inusitada ao conteúdo do álbum; a dubiedade do título; estética & ideais, e até a qualidade do áudio, que realmente deixava a desejar.

Enfim, franco e honesto para tecer críticas construtivas, mas ao mesmo tempo tecendo elogios retumbantes à parte artística, envolvendo composições, arranjos e performances, elaborou uma ótima reportagem.
Na revista Guitar Player de nº 88, de setembro de 2003, o jornalista Luciano Marsiglia fez uma entrevista muito boa com os nossos guitarristas, Rodrigo e Marcello e foi fundo nos aspectos focados nas guitarras, com bastante informação sobre as guitarras usadas na gravação do disco, assim como a obtenção dos timbres, uso dos pedais, amplificadores etc.

E também falaram sobre influências, citando guitarristas etc etc.

Em suma, uma entrevista muito bem conduzida e a edição da conversa, bem editada.
Em setembro, tivemos uma notícia muito ruim. Marcello ligou-me numa terça feira com a voz embargada e me deu a notícia de que o ex-guitarrista da Patrulha do Espaço, Dudu Chermont, havia falecido.

Muito doente, não era novidade para nós que ele não estava nada bem, há tempos. Em março, e julho, ele fizera participação como convidado especial em dois shows nossos, conforme já relatei anteriormente.

Portanto, em julho de 2003, foi o último show que fez na sua vida, lamentavelmente.
Levei a banda no meu carro ao velório e sepultamento no cemitério da Consolação, no bairro do mesmo nome, zona central de São Paulo.

Ali, a quantidade de pessoas ligadas ao Rock era enorme, desde veteranos dos anos 60/70, até rockers mais mais novos. Achei justa a movimentação e comoção gerada, mas era triste ver um artista de tantos méritos e história construída, indo tão prematuramente para o "lado de lá".

Um funcionário do cemitério vendo aquela quantidade de cabeludos ali presente, abordou-me, e perguntou-me se o falecido era artista. 

Apresentou-se como guia turístico do funcionário, pois além das múltiplas esculturas e mausoléus que despertam a atenção de artistas plásticos; estudantes de artes & arquitetura, havia um fluxo de turistas procurando tumbas de pessoas famosas.
De fato, o cemitério da Consolação é pródigo nesse aspecto, e recebe turmas organizadas para visitar tais sepulturas de artistas, políticos e personalidades brasileiras em geral, que ali estão enterradas. 

Contei-lhe sobre Dudu Chermont, e espero que ele tenha buscado pesquisar mais e incluído assim a tumba onde ele foi sepultado, nessas visitas.
Junior levou uma cópia do primeiro álbum da Patrulha e colocou entre as mãos de Dudu, que assim foi enterrado, com essa justa homenagem.

Sem perspectivas de shows para outubro, e só em novembro voltaríamos à estrada, o Junior agendou uma apresentação off-Patrulha para o Centro Cultural São Paulo.

Seria mais um show tributo ao Keith Moon, o mítico baterista do The Who e desta feita, Junior que costumava promover tal tributo de forma sazonal, com a parceria do baterista Paulo Zinner, ampliou-o, convidando também os bateristas superb, Marinho Thomaz (Casa das Máquinas), e Franklin Paollilo (Rita Lee & Tutti-Frutti).
Portanto, seria um show de arrepiar, com quatro bateristas tocando, sempre em duplas, e um eventual número em conjunto, com os quatro simultaneamente.

Sobre o evento, em se considerando que era uma atividade extra-Patrulha, e pelo fato de eu ter participado também, preferi relatá-lo em separado, arrolado devidamente como um "Trabalho Avulso" de minha carreira, portanto, está descrito com detalhes naquele capítulo em específico.
Leia tal história aqui mesmo no meu Blog 2, procurando por Trabalhos Avulsos - Capítulo 78  -  Tributo à Keith Moon, publicado em agosto de 2003 :

http://blogdoluizdomingues2.blogspot.com.br/search?q=Trabalhos+Avulsos+Tributo+%C3%A0+Keith+Moon

E também publicado no meu Blog 3, procurando por "Trabalhos Avulsos - Capítulo 30 - Tributo à Keith Moon, quatro bateristas alucinados

http://luizdomingues3.blogspot.com.br/2015/03/trabalhos-avulsos-capitulo-30-tributo.html

Voltando à Patrulha, uma nova viagem para Santa Catarina nos esperava em novembro.
Resenha do show Tributo ao Keith Moon, na revista Rock Brigade, nº 208, de novembro de 2003

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário