segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 226 - Por Luiz Domingues

 

Recebemos a visita de um rapaz representando a produção local do show, no hotel onde estávamos, assim que chegamos ao local, por volta das 16:00 horas. Fomos comunicados por ele, que uma entrevista estava agendada para uma emissora de rádio local, antes mesmo do soundcheck.

Mas como estava tudo absolutamente tranquilo, sem atropelos, não haveria problema algum em cumprir tal tarefa de divulgação, e claro, era um prazer e uma boa nova poder incrementar a divulgação do show na cidade.

Eu e Rodrigo acabamos nos voluntariando, sendo levados dessa forma, de carro para tal estúdio dessa emissora e curtimos muito o caminho que era íngreme, e as instalações da rádio ficavam numa espécie de colina, onde vislumbramos uma visão panorâmica e sensacional da cidade.
Foto que achei na Internet, da colina citada, e em época de inverno

Pelo caminho, o rapaz foi nos contando que no inverno, a visão dali era magnífica com verdadeiras brumas geladas, e de fato, Lajes é uma das cidades mais frias de Santa Catarina, com o termômetro marcando graus celsius abaixo de zero, com muita naturalidade.

Feita a divulgação e executando uma música na programação da emissora de nosso CD Chronophagia, fomos levados ao estabelecimento noturno onde tocaríamos naquela noite.

Seu nome era Latvéria Bar.

Para quem não está habituado com a cultura Nerd / Pop das histórias em Quadrinhos e particularmente o Universo Marvel, Latveria é um pequeno país fictício, encravado em algum lugar da Europa, e que tem como soberano, um super vilão, o "Dr. Doom"("Doutor Destino"), cientista genial e inimigo mortal do Quarteto Fantástico. Ele mantém seu Reino sob um padrão de vida medieval nas vestimentas e costumes, embora disponha de tecnologia de ponta para por a cabo seus planos diabólicos de conquistas.

Bem, super bacana a intenção do proprietário em ter um bar com tais características temáticas.

A casa era bem montada, demonstrando atender a jovem burguesia da cidade e já acostumados, sabíamos que teríamos poucos Rockers na plateia, com a maioria composta de playboys & patricinhas, mas isso não nos desmotivava em absoluto.
Visão noturna do centro da bela Lajes, e o estabelecimento em que tocamos, ficava bem perto dessa Praça da Matriz.

Deu tempo para jantar tranquilamente no próprio hotel desta feita, e quando chegamos na casa para o show, ficamos contentes em vê-la abarrotada de gente.

Contrariando a nossa expectativa inicial baseada em outras experiências pregressas, o público era de uma maioria Rocker e estava ali sabendo exatamente quem éramos e ansiavam por nossa performance.

Enfim, foi um show elétrico que sabíamos que daria sinergia total, desde a primeira virada de bateria da música "Não Tenha Medo" arrancando uivos da plateia, denotando serem Rockers e valorizarem cada detalhe, pois o Rock é assim, para quem o sente na alma.

Várias músicas clássicas da Patrulha, e mesmo as músicas novas da Era Chronophágica, levaram ao delírio aqueles jovens e quando deixamos a casa, por volta das 4 horas da manhã, nossa sensação era maior que a do dever cumprido, porque estávamos felizes pela performance, e resultado de empatia com o público.

Dia 14 de novembro de 2002, Latveria Bar de Lajes-SC, com 200 pessoas na plateia, aproximadamente.

Deu para descansar bastante, acordar tarde e fazer a viagem para Concórdia com tranquilidade. Percorremos os 200 e poucos kilometros conversando animadamente, e esta turnê parecia não nos reservar dissabores, mas só alegrias...


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário