segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 225 - Por Luiz Domingues


Com Luiz "Barata" Cichetto integrando a comitiva, assumido função de road manager, nesta viagem a Claudia Fernanda não esteve conosco.

Nosso destino : Santa Catarina, com três shows em três cidades, sendo que em duas, passaríamos pela primeira vez, ao menos em se considerando a história da nossa formação.

Saímos de São Paulo na noite de uma quarta-feira, e a viagem não nos causou problemas em relação ao ônibus.  

Foi a primeira viagem longa que fizemos com a presença do Barata, visto que sua estreia como componente da nossas comitiva houvera sido na viagem à Santos, que é um percurso de apenas 78 KM de São Paulo, portanto, muito curto.

Como eu costumava viajar no primeiro banco, perto do "Seu" Walter, porque sou notívago, e não conseguia dormir como a maioria, passava longos trechos nas madrugadas, principalmente, conversando com nosso motorista e tomando café com ele.

Mas agora, ganhava mais um companheiro de insônia e as conversas ficaram ainda mais animadas, se bem que o "seu" Walter não participasse de assuntos que não lhe interessavam, naturalmente.   

Poeta e escritor, o Barata passou a registrar suas impressões sobre os bastidores das viagens, publicando seus relatos na forma de crônicas, que batizou de "Diário de Bordo", fazendo a óbvia alusão aos diários de bordo de embarcações e aeronaves, mas mais do que isso, remetendo ao seriado de TV "Star Trek" ("Jornada nas Estrelas"), com o clássico "Diário de Bordo", que era escrito pelo comandante da "Enterprise", "Capitão Kirk". 

Ali falávamos sobre Ademir da Guia; Dr. Smith; Jimi Hendrix e Tim Leary, sem cerimônias...  

A capa da encadernação que fiz com os textos do "Diário de Bordo", escrito pelo poeta Luiz "Barata" Cichetto

Tal texto começou a ser publicado alguns dias depois de cada show em seu Site "A Barata", e como nessa época eu nem sonhava em ter acesso à Internet, pedi para ele cópias do texto e as encadernei, guardando-as como memorabilia importante do meu material com a Patrulha.

Sua visão era minuciosa dos bastidores e com texto coloquial e gostoso de ler, Barata nos legou um ótimo apanhado dos bastidores, trazendo sua visão dos acontecimentos dessas viagens, com poesia, aspecto que lhe é peculiar, naturalmente.

Muitos anos depois, ele lançou um livro com a compilação dessas histórias dele como membro da equipe técnica, e observador in loco dos acontecimentos, agregando também histórias de sua percepção como fã da banda desde 1977, rememorando shows que assistiu etc etc.

Chegamos em Lajes já na manhã da quinta, e fomos direto ao hotel para repousar.
O preâmbulo do minucioso e poético "Diário de Bordo", escrito por Luiz "Barata" Cichetto 

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário