sábado, 14 de novembro de 2015

Autobiografia na Música - Kim Kehl & Os Kurandeiros - Capítulo 24 - Por Luiz Domingues


Cheguei primeiro às dependências da Galeria Olido, e não havia ninguém conhecido naquele momento. 

O espaço onde tocaríamos ainda estava promovendo outro evento, e pelo horário, é claro que atrasaria e dessa forma, a montagem do palco e soundcheck do segundo evento da noite estaria muito prejudicado (como sempre...).

Então, observando do lado de fora o animado baile popular que ali estava acontecendo, percebi que o Edvaldo Santana aproximava-se e me vendo com o case do instrumento, logo deduziu que eu era componente de uma das bandas que fariam aquele show compartilhado.

Nos apresentamos, e batemos um papo legal, onde ele me contou um pouco de sua trajetória na música, e mesmo sendo um papo rápido e sem grande aprofundamento, pude extrair algumas impressões muito boas sobre seu trabalho, como por exemplo a forma como pensava, sua luta nas músicas para exprimir letras de conteúdo sociais contundentes etc.

Falou-me que após o show de choque que faria naquela tarde-noite, se dirigiria com sua banda para uma casa noturna da periferia, onde tocaria em outro show mais para o fim da noite, e deu para notar que era um artista batalhador, daqueles que fazem das tripas coração para viver de música, ainda mais autoral, sem nem uma migalha da atenção da mídia mainstream, sem empresário e sem nenhuma estrutura.

Gostei disso, e de cara, pensei comigo que seu perfil parecia o de artistas "malditos" como o Zé Geraldo, por exemplo, que tem uma identidade artística parecida e igualmente sobrevive, tem fãs e seguidores, sem ter apoio algum tanto empresarial, quanto fonográfico, e muito menos de mídia mainstream.

A seguir, o guitarrista de sua banda chegou e notei que estava com dificuldades para estacionar o carro na imensa garagem que a galeria tem, mas por conta de burocracia massacrante, sempre é um inferno conseguir sua liberação.
Os Blues Riders em ação na Galeria Olido, nesse dia. Áureo é o primeiro à esquerda, usando uma guitarra Gibson SG

Enfim, sanado esse problema para o rapaz, vi que chegou o Áureo, guitarrista dos Blues Riders, uma banda que reputo ser uma das mais batalhadoras do circuito underground de São Paulo, com quase 25 anos de atividades e uma luta incrível para atingir seus objetivos.

Muitíssimo gente boa, o conheço desde o início dos anos noventa, e foi um prazer revê-lo ali nos bastidores do evento. Os Blues Riders tocariam também.

Enfim avisto a chegada de Kim Kehl e sua esposa, Lara, acompanhados do tecladista/vocalista e gaitista, Claudio Veiga, que também participaria desse show. E o último de nossa banda que chegou, foi o nosso baterista, Carlinhos Machado.

O Luiz Calanca, dono da loja/selo Baratos Afins, era o curador desse show, e chegou animado com a noitada que prometia ser boa e de fato, foi mesmo.

O ambiente era um salão envidraçado que fica na Galeria Olido, em contato com a rua, ou seja, margeia a Galeria pelo lado da rua e dessa forma, por ser envidraçada, dá margem à que as pessoas que caminhem tanto pela avenida São João, quanto pela Rua Dom José de Barros, vejam o show pelo lado de fora, lembrando a estrutura da sala Adoniran Barbosa, do Centro Cultural São Paulo.

Sem uma boa condição acústica, todavia, o segredo naquele salão envidraçado era tentar tocar o mais baixo possível, para minimizar a reverberação que era inevitável...

Sem tempo algum para realizar um soundcheck ainda que rápido, vimos que a única solução era deixar a banda do Edvaldo Santana ajeitar a toque de caixa o seu set up, e dar uma passada ridiculamente rápida numa música apenas, para iniciar o show imediatamente, visto que pessoas da Galeria pressionavam o curador do evento, Luiz Calanca, para abrir as portas para o público que se aglomerava no local.

Feito isso, e o Edvaldo fez questão de ser o open act da noite, pois estava morrendo de pressa para se locomover para o segundo show que faria naquela mesma noite, as portas se abriram e assim que o Calanca deu o sinal, a banda deu seus primeiros acordes...
Nessa foto que achei na Internet, estou sentado vendo a apresentação do Edvaldo Santana (segundo, da direita para a esquerda, o primeiro é o Carlinhos Machado)


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário