sexta-feira, 31 de julho de 2015

Lágrimas de Março - Por Marcelino Rodriguez

Hoje gostaria de escrever uma lágrima, ou pintá-la. 

Que fosse redonda, substancial, lenta de cair, dependurada nos olhos. 

Sim, eu queria chorá-la. 

A sinto em mim, mas ela teima em não nascer do guerreiro cansado. 
Meu corpo pesa como asas molhadas no temporal. 

A última ternura que veio, fora de meus cães, tão distante vai que esqueci-me. 

No mundo da escuridão, os filhos de Deus sofrem para crescer entre os demônios humanos que de tudo tomam conta e sabem, menos do amor e de amar, primeiro e segundo mandamentos ignorados. 

Essa lágrima, se caísse, seria dádiva.

Qualquer mulher a choraria, fácil, fácil. Todavia, em mim ela seca, oprime, em vão pedindo libertar-se. 

Um pouco mais sairei para os combates, com meu coração invisível aos olhos, apodrecendo seus tesouros subutilizados. 

Amor e alegria, ambos crucificados no tempo. 

Porém, é preciso por o site no ar...

E a mulher do sonho da noite, que me fitava com admiração ? 

Ah, era apenas um sonho, e nos tempos que correm, cada vez os sonhos são apenas sonhos, nada mais. 
 





Texto do livro "MAIS VAZIO QUE O PARAÍSO" 



Marcelino Rodriguez é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Escritor de vasta e consagrada obra, aqui nos traz uma pequena crônica extraída de um de seus livros, "Mais Vazio que o Paraíso". 

A lágrima que teima em não cair, fruto da brutalização do homem, é o tema dessa crônica.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Autobiografia na Música - A Chave / The Key - Capítulo 3 - Por Luiz Domingues



Nesse cenário angustiante, pisando em terreno minado, fomos lutando duramente pela sobrevivência.

Atormentados pelas dívidas; vendendo discos no braço, literalmente; montando uma nova banda desvinculada da velha banda extinta, mas ao mesmo tempo tendo que manter elo estratégico com o defunto ainda quente no caixão...

Já com o protocolo da nova marca em mãos, pelo menos sabíamos que o Rubens não poderia reclamar dessa dissidência forçada de nossa parte.  

Agora era juntar os cacos, e tentar dar dignidade à esse novo trabalho.

Em princípio, não havia nenhuma chance de pensarmos em renovação do repertório. Tínhamos que tocar as músicas do LP The Key, mesmo correndo o risco de dar um nó na cabeça dos fãs da velha Chave do Sol.

Mas um ponto positivo ocorreu, assim que começamos a conversar com o membros recém chegados : a ideia era renovar completamente o repertório, mostrando uma nova identidade. OK, os dois ex-membros da Chave do Sol, estavam montando uma nova banda, mas não podia ser encarada como a continuidade da Chave do Sol, simplesmente.

Enfim, era uma situação totalmente embaraçosa e desagradável portanto, porque o ideal teria sido A Chave do Sol ter superado sua crise interna, e estar disposta a tocar a vida em frente, prioritariamente, ou numa segunda hipótese, essa nova banda ser formada com nome completamente desassociado da Chave do Sol, e com calma.  

Não foi assim que aconteceu, infelizmente...

O contato inicial com os novos componentes foi muito cordial e melhor que isso, eu senti da parte deles, empolgação para começar a trabalhar. De certa forma, foi legal receber essa energia, pois eu e Beto estávamos bastante desgastados com os acontecimentos dos últimos meses, e principalmente pelo seu desfecho tristíssimo para todos nós, ex-membros da Chave do Sol. 

Ouso dizer que eu estava emocionalmente pior, primeiro pelo fato dele ter uma personalidade mais telúrica que a minha, e diante da adversidade, seu pragmatismo sempre o levava a tomar providências imediatas para mudar o quadro, não se deixando levar para um estado depressivo.


Zé Luiz Rapolli e Theo Godinho, eu conhecia superficialmente, por conhecer o Jaguar, sua ex-banda. Nunca havia conversado com eles, mas já os cumprimentava pelo menos desde 1985, em  bastidores de shows, e cheguei a assistir um show do próprio Jaguar certa vez.

Já Fabio Ribeiro, eu tinha tido a experiência dele tocar no último show da Chave do Sol, em dezembro de 1987, no Teatro Mambembe.

Apenas não conhecia o Eduardo Ardanuy, que fora uma descoberta do Beto Cruz.

Pelo que me contou, ouviu boatos de que um rapaz muito jovem tocava pela noite, com pequenos combos improvisados e tinha a fama de virtuose, com estilo muito parecido com o do guitarrista sueco Yngwie Malmsteen.  

Tal guitarrista internacional havia tornado-se uma febre entre os guitarristas de Hard Rock oitentistas no mundo todo, pela sua absoluta destreza ao instrumento, mas num patamar muito acima do normal para um guitarrista considerado excelente.

Esse tal Malmsteen, tocava com uma técnica absurda, e sob uma velocidade tamanha, que tratou de encantar muitos guitarristas que passaram a estudar de uma forma estonteante para alcançar tal patamar de sua técnica.

O som, era uma mescla do Hard com o Heavy-Metal oitentistas, mas havia um quê de Hard setentista nessa mistura, principalmente via Ritchie Blackmore, o mítico guitarrista do Deep Purple, que arregimentara milhões de seguidores de sua guitarra super técnica, mesclando os riffs de Jimi Hendrix (incluso o uso e abuso de alavancas e efeitos gerados pela microfonia), com música barroca, principalmente Bach.

Malmsteen era um desses fanáticos fãs de Blackmore, mas ali na década de oitenta, sua pegada ficou muito mais puxada para o Hard-Heavy oitentista, naturalmente.

Edu Ardanuy era um admirador de Malmsteen, e sua técnica era tão impressionante, que mesmo ainda sendo um garoto desconhecido, tinha o apelido de Edu "Malmsteen."

Particularmente, eu nunca gostei de Malmsteen, e muito menos de tudo o que se seguiu a ele, culminando com o tal do "Heavy Melódico", aliás, nem Heavy-Metal tradicional eu jamais gostei, e não haveria de curtir essa histriônica variação de virtuosismo extremo.

Mas naquele cenário que se desenhava em 1988, parecia que não havia muita saída para nós, e com a agravante de estarmos aflitos e fazendo tudo às pressas, nem tinha muito cabimento questionar linhas a serem adotadas.

Indo com a maré, portanto, e tendo Edu e Fabio (que igualmente era um virtuose das teclas e estava curtindo muito aquela onda de virtuosismo "malmsteeniano", apesar de ter boa formação prog setentista), tornou-se inevitável que entrássemos nessa senda.

Sobre Theo, era uma guitarrista de muitas virtudes, mas não necessariamente um virtuose como Edu. Mais parecia um guitarrista clássico de Hard-Rock oitentista, embora apresentasse uma bagagem setentista interessante, também.

A respeito do temperamento desses novos companheiros, achei de princípio, o Zé Luiz Rapolli bastante simples e amigável; Fabio Ribeiro era muito brincalhão, mas sem dúvida um bom menino, e uso esse termo, pois ele tinha 17 para 18 anos na ocasião; Theo Godinho pareceu-me gente boa, mas mostrava-se tímido, e Edu era calado, parecia um rapaz focado na música e sem muitas palavras.

Em suma, em meio à tantas adversidades que estávamos enfrentando, ao menos ficamos aliviados em constatar que arrumáramos quatro músicos muito competentes; com vontade de encarar o desafio dos compromissos em cima da hora, e com poucos ensaios; e todos, pessoas de muito boa índole.

E começaram os ensaios. 
O tecladista Fabio Ribeiro em foto mais ou menos da época em que entrou na nova banda que formamos.

Continua...

Autobiografia na Música - A Chave/The Key - Capítulo 2 - Por Luiz Domingues


Outra providência que precisava tomar às pressas, era a de alugar uma nova caixa postal para essa nova banda.

Diante dos acontecimentos dramáticos que culminaram com o fim da Chave do Sol, não haveria nenhum cabimento em continuar a histórica caixa postal que a nossa ex-banda usou por anos a fio, desde 1984, quando fundamos o fã-clube e tal contato com os fãs tornou-se direto nesses termos.

Internet ainda era para a maioria, objeto de enredo de filmes Sci-Fi, em 1988, embora já estivesse disponível ao público em geral. 

Porém, claro que não era nada popular e os equipamentos disponibilizados para pessoas físicas naquele tempo, eram jurássicos, e caríssimos. Portanto, ter uma caixa postal para receber correspondências datilografadas ou manuscritas, ainda era a melhor maneira de ter comunicação com os fãs do trabalho.

Creio que no calor da briga, não era nada conveniente continuar usando a histórica caixa postal 19090 - SP...

Portanto, foi outra tarefa burocrática e chata que tive que fazer às pressas, procurando desta feita uma agência do correio perto de minha casa, para abrir uma nova caixa, e pelo lado prático da situação, só lamentando também o quanto isso geraria confusão entre os fãs, acostumados com a caixa postal antiga.

Somava-se à isso, anos de divulgação que fazíamos na TV; rádio; filipetas, fanzine e na própria capa dos nossos discos...

Inevitável portanto, a mudança traria prejuízo certo.

Então, a nova banda, agora chamada "A Chave", receberia correspondência doravante, na caixa postal 15665 - SP, numa agência localizada na Rua Tuiuti, próxima à Praça Silvio Romero, no Tatuapé, zona leste de São Paulo. 

Sobre os esforços do Beto, em questão de poucos dias, já estava anunciando um grupo de novos componentes arregimentados.
Foto de Zé Luiz Rapolli, do fim dos anos noventa, quando trabalhou numa loja de instrumentos da Rua Teodoro Sampaio

Para a bateria, José Luiz Rapolli, ex-baterista da banda Jaguar, que encerrara atividades recentemente e que tratava-se de uma banda de qualidade, que alcançara razoável projeção na cena Hard-Rock paulistana.

O tecladista Fabio Ribeiro, que tocara no último show oficial da Chave do Sol em dezembro de1987, estava confirmado também.
Theo Godinho, ex-guitarrista do Jaguar, em foto posterior à sua rápida passagem por essa nova banda que formávamos  
Eduardo Ardanuy, aqui já em ação com A Chave, em 1988

E dois guitarristas : Theo Godinho, ex-guitarrista do Jaguar, também, e um garoto bem novo e que o Beto descobrira atuando na noite, com fama de virtuose, chamado Edu Ardanuy.

E assim, em janeiro de 1988, começamos a ensaiar como um sexteto, visando cumprir dois compromissos que na verdade eram da agenda da velha A Chave do Sol.

Um, seria num evento de grande porte, promovido pela Rede Bandeirantes de TV, chamado "Verão Vivo", filmado numa praia da cidade do Guarujá, no litoral de São Paulo. Já o outro, ocorreria num salão de Rock, famoso e tradicional, localizado no Tatuapé, na zona leste de São Paulo, chamado, "Led Slay".

Tudo era angústia; incerteza; e pressa nesses dias de janeiro de 1988...


Continua... 

Autobiografia na Música - A Chave / The Key - Capítulo 1 - Por Luiz Domingues


Esta é uma nova história da minha trajetória na música, embora seja um começo sui generis, porque não foi um trabalho totalmente novo que se desenhou na minha vida, mas a necessidade premente de montar uma banda dissidente da velha "A Chave do Sol", e com uma urgência absurda.

Vamos aos fatos :

Sem tempo para pensar, quando uma bomba atômica caiu sobre a minha banda, A Chave do Sol, em dezembro de 1987, não pude me dar ao luxo de ficar deprimido com tal final súbito de uma banda que construira uma trajetória muito consistente na história do Rock Brasileiro.

Com compromissos marcados e absolutamente inadiáveis, por conta das contas contraídas para que o último LP da banda, chamado "The Key", fosse para as prateleiras das lojas especializadas e mesas de jornalistas, a banda não podia acabar, simplesmente.

Contudo, da maneira como saiu rachada, tornou-se impossível uma continuidade.

Então sem saída, tive que tomar uma série de providências para não deixar a peteca cair, pois os compromissos urgiam e a mais razoável saída para esse imbróglio ser resolvido de imediato, foi procurar o escritório do INPI (Instituto Brasileiro de Patentes Industriais), para entrar com um pedido requerendo um novo nome para criar uma banda emergencial.

Com o impedimento de se continuar usando a marca "A Chave do Sol", que pertencia oficialmente ao Rubens, pela patente do INPI, eu precisava criar um nome que tivesse uma ligação com a minha ex-banda, não por maquiavelismo de minha parte, mas simplesmente porque o LP The Key tinha saído há pouco mais de 20 dias, e havia uma necessidade de promovê-lo ao máximo, porque as vendas, eram a nossa única esperança de saldar as dívidas provenientes dessa produção.

Além disso, a Chave do Sol tinha compromissos inadiáveis para janeiro de 1988, e em hipótese alguma poderíamos deixar de fazê-los, sob o risco de sabotar a divulgação do disco e aí, num efeito cascata, ficarmos em péssimos lençóis.

Então, a solução mais razoável que arrumei, foi investir na marca : "A Chave", suprindo "do Sol".

Dessa maneira, manteríamos um elo com a banda que havia encerrado atividades e portanto, não nos distanciando do LP The Key; dos jornalistas e principalmente dos fãs do trabalho.

Não era uma solução mais adequada, todavia. Nos anos setenta, uma banda que alcançou fama nacional no meio Rocker, chamava-se "A Chave". Era uma ótima banda, por sinal, que eu inclusive curtia e cheguei a ver ao vivo, certa vez num festival promovido pela Rede Bandeirantes de TV, chamado "Balanço", em 1977 (contei essa particularidade com detalhes nos capítulos sobre o Boca do Céu, minha primeira banda).

Causava-me um desconforto batizar a nova banda dessa forma, é óbvio, mas acuado pelas circunstâncias dramáticas que cercaram o fim da Chave do Sol, não tive outra alternativa a não ser insistir nessa ideia.

Mas o fato de eu tentar, não significava ainda que lograria êxito, pois quando se tenta patentear um nome no INPI, a primeira coisa a ser feita é um processo de "busca", onde aquele órgão vai pesquisar se não existe ninguém no território nacional, usando o mesmo nome para tal finalidade.

Quando se patenteia alguma marca, existe um número infinito de possibilidades, e quanto mais você tentar cercar, mais taxas tem que pagar.

Por exemplo, eu poderia patentear tal marca para ser usada como nome de um conjunto musical, mas se quisesse cercar para outras coisas, como abrir um escritório de representação artística com o mesmo nome, por exemplo, teria que pagar mais uma taxa e assim por diante, para cada coisa que desejasse assegurar com tal marca.

Portanto, foram dias de angústia, pois corríamos contra o relógio, tentando formar uma nova banda e a burocracia da busca pela marca, demandava dias...

Sem alternativa, paguei a taxa pela busca e dei entrada em tal protocolo.

Concomitantemente, saía às ruas para vender o LP The Key, pois sem esquema de distribuição algum, era a única forma de conseguir angariar fundos em curto prazo, para amortizar dívidas.

E pelo lado do Beto, seus esforços eram para arregimentar novos músicos para formarmos uma banda emergencial, e acompanhavam o mesmo frenesi desesperado.

Era montar um time às pressas, pois tínhamos dois shows para fazer, fruto da agenda assumida da velha Chave do Sol, e como já salientei, era impossível pensar em cancelá-los, simplesmente, dada a emergência em levantarmos dinheiro e divulgar o novo disco.

Após alguns dias, já no início de 1988, consegui o resultado da busca do INPI. De fato, a marca "A Chave" pertencera à um dos músicos daquela extinta banda paranaense, mas há muitos anos o domínio fora abandonado, denotando falta de interesse de seus ex-membros em renová-lo.

Com a consciência um pouco mais leve, dei entrada imediatamente no protocolo de patente em meu nome, e mesmo sabendo que o processo demoraria de três a cinco anos para dar-me a patente definitiva, o protocolo assegurava-me prioridade total nessa reivindicação, ou seja, ninguém no Brasil poderia "atropelar-me", e ter esse nome para si.

Era uma bobagem burocrática, mas diante da briga que eu e Beto tivéramos com o Rubens, tal racha na banda infelizmente obrigou-nos a tomar tal providência.

Vendo hoje em dia, ninguém imagina o quanto lamento aquela ruptura, conforme já deixei claro nos capítulos da história da Chave do Sol, e só imagino o quanto de sofrimento de todos nós; eu; Beto e Rubens, teria sido evitado, se um ou dois dias depois daquela discussão, tivéssemos nos encontrado de cabeça mais fria e decidido prosseguir com A Chave do Sol, onde o único desconforto premente, teria sido arrumar um novo baterista para seguirmos em frente.

E nem mesmo isso talvez fosse necessário, pois o Zé Luis Dinola já havia desistido de sua ideia esdrúxula de estudar odontologia nessa altura de dezembro de 1987, e muito provavelmente estaria disposto a dialogar e voltar a ocupar o seu posto na banda, lugar de onde jamais deveria ter saído...

Mas não foi assim que aconteceu, infelizmente...


Continua...

terça-feira, 28 de julho de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 99 - Por Luiz Domingues


Um mês depois, a revista "Cover Guitarra" lançou matéria com os dois guitarristas da Patrulha, seguindo a tendência iniciada comigo, um mês antes, na "Cover Baixo".

"Rodrigo Hill & Marcelo Schevano - Patrulha Setentista

"Nosso show é uma volta aos anos 70". É assim que Rodrigo Hid e Marcelo Schevano  definem as apresentações da Patrulha do Espaço, antológica banda fundada pelo ex-Mutante Arnaldo Dias Baptista e pelo batera Júnior, que vem mantendo as tradições vintage num Rock 1n Roll cada vez mais assolado pela música eletrônica.

"Nós sempre escutamos um som mais antigo e só nos sentimos confortáveis tocando  instrumentos daquela época", afirma Marcelo. "No Brasil, há o mito que diz que uma banda só é boa quando está "antenada" com as últimas tendências, usando equipamentos ultra-modernos. Besteira ! No exterior, existe uma série de bandas especializadas em som vintage, acrescenta Rodrigo.

Essa falta de tradicionalismo no país também acarretou muitas dificuldades para os músicos conseguirem os instrumentos. "Você vai em uma loja e o vendedor nunca ouviu falar num pedal Ecoplex, por exemplo", afirma Rodrigo.

"Achar instrumentos vintage no Brasil, é muito complicado. Você tem que ter dinheiro e garimpar muito, inclusive no interior de outros estados. Conheço até uma loja especializada em garimpar órgãos Hammond em pequenas igrejas espalhadas pelo país".

Um dos detalhes mais interessantes de Chronophagia, o novo disco da banda, é o fato de que cada música é dedicada a grandes nomes, como Yes, Grand Funk Railroad e Paul McCartney. "Isso surgiu durante a mixagem, já que sempre que alguém ouvia uma faixa, imediatamente se lembrava de algum músico ou banda. Decidimos então, prestar a devida homenagem não só a grandes nomes, mas também a figuras menos conhecidas, como o "Som Nosso de Cada Dia" (ótima banda brasileira dos anos 70), diz Rodrigo.

Marcelo começou suas investidas pelo universo guitarrístico  aos quatorze anos, fazendo aulas particulares que duraram apenas oito meses. "Não aguentei a rotina de aprender e decorar escalas. O meu negócio era compor e fazer os solos de meu próprio jeito".

Já Rodrigo iniciou seu aprendizado no instrumento com seis anos, influenciado por uma longa lista de músicos na família. "estudei muito violão clássico e jazz, mas sempre soube que o meu negócio era o Rock'n Roll. Então, larguei os estudos e passei a tirar músicas de ouvido, aprendendo com elas.

Além da guitarra, ambos também tocam piano e orgão - Marcelo também é hábil na flauta transversal. "Nós simplesmente compramos os instrumentos e aprendemos a tocar na "raça", de modo totalmente autodidata", confessa Marcello.

"Valorizamos muito as músicas que compomos, e o processo de composição é muitas vezes facilitado pelo fato de você tocar mais de m instrumento. Você pode, ás vezes, expressar melhor algo que está em sua cabeça no piano do que na guitarra, por exemplo", conta Rodrigo.

"Você não tem que ser um virtuose em cada um deles, mas simplesmente saber colocar suas ideias"

RV


Não sei exatamente quem é o jornalista que assinou só com as iniciais "RV", mas creio que fez um bom apanhado do que os dois guitarristas da Patrulha representavam para a banda.

Sobre as respostas que deram, nota-se um pouco de imaturidade de ambos em algumas colocações, mas dou o gigantesco desconto de que eram absolutamente jovens nessa ocasião.

Pelo contrário, relevo tudo, e prefiro dizer que quando saiu essa matéria, além de comemorar o baita benefício que trazia à banda, tal reconhecimento do talento dos dois, enchia-me de orgulho. Mais que isso, tal tipo de manifestação pública, era o triunfo de uma percepção que eu tinha desde 1998 sobre o talento deles, e do quanto seriam enaltecidos no futuro, e de certa forma, ler uma matéria desse teor publicada em 2000, dava-me a impressão de que tal reconhecimento estava chegando até que rápido demais, pois em apenas dois anos antes, eram adolescentes imberbes tocando comigo e José Luis Dinola, no Sidharta, somente em estúdios de ensaio, e agora, estavam numa revista importante de guitarristas.

Quanto ao teor da matéria, creio que o jornalista os deixou a vontade para se expressarem livremente, sem pressioná-los com perguntas técnicas ou pior ainda, capciosas.

A única ressalva que faço, foi na diagramação, onde o nome do Marcello foi sempre grafado com um "L" apenas e pior, na manchete em negrito, o sobrenome do Rodrigo foi grafado como "Hill" e não "Hid".

Um erro crasso da revista, mas que gerou uma série de piadas internas que custaram a cessar. Por um bom tempo, as brincadeiras com o sobrenome errado, "Hill", ecoaram entre nós...

Continua...

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 98 - Por Luiz Domingues


Nunca foi meu objetivo de carreira ser "reconhecido" como baixista; buscar elogios; enaltecimento individual etc etc. 

Desde o primeiro instante de minha carreira, nos primórdios de minha primeira banda, o Boca do Céu, minha meta sempre foi trabalhar coletivamente, jamais individualmente.

Por isso, nunca quis ter matérias em revistas especializadas, como fator de autopromoção individual. Mas claro, se tal tipo de oportunidade gerasse um dividendo para a minha banda, seja lá em qual estivesse, logicamente que não me recusaria a conceder entrevista.

Foi o que aconteceu na revista "Cover Baixo", especializada para baixistas, em sua edição de agosto de 2000.

Aceitei o convite para ser entrevistado, e por telefone, respondi uma série de perguntas do jornalista de tal veículo, com o claro objetivo de agregar mais exposição para a Patrulha do Espaço, e consequentemente de nosso recém lançado CD.

Eis a íntegra da matéria :


"Luiz Domingues - Palhetada Rock na Patrulha"

Quando se pensa em contrabaixistas brasileiros, a primeira imagem que vem à cabeça de muita gente é a de alguém tocando com muito swing e slap, como fazem Pixinga e Arhur Maia, por exemplo.

No entanto, desde 76, Luiz Domingues - anteriormente conhecido como Tigueis - vem colocando os baixistas de Rock nacionais num patamar de reconhecimento nacional. Tocando agora com a lendária Patrulha do Espaço, Luiz une o hard Rock tradicional dos anos 60 e 70, com pitadas de progressivo. O resultado pode ser conferido no novo álbum da banda, Chronophagia, gravado no início deste ano.

"É um disco bem eclético, no qual mesclamos todas as nossas influências", afirma Luiz. "Tanto é que dedicamos cada faixa a uma banda que gostamos, como Yes e Led Zeppelin".

Os fãs do som "gordo" que Luiz extrai palhetando seus baixos não ficarão decepcionados : "Meu som sofreu muitas influências, mas sempre procurei ter uma característica própria, que se dá enfatizando as sonoridades médias e graves".

Luiz ainda garante que não vê problema nenhum em ser um baixista roqueiro no Brasil : "Sempre assumi essa postura, com todos os prós e os contras". E digo mais : os músicos brasileiros tem uma facilidade muito grande para unir o Rock com o Funk, e essa música agressiva, mas com groove, vai estourar no futuro".



Bem, é preciso salientar que nesse mundo específico de baixistas, existe muito preconceito em diversos aspectos. O primeiro deles, é o do uso da palheta, que para os radicais de plantão, é uma heresia.

Um certo "estrelão" do mundo dos virtuoses do baixo, falou mal de mim, sem ao menos me conhecer, por conta dessa imbecilidade. Um ex-aluno meu disse ter ido à um workshop desse "maioral", e num dado instante, alguém formulou uma pergunta, citando-me como exemplo. Teria sido algo do tipo : "Fulano, o que você pensa de baixistas que usam palheta, como o Luiz Domingues, por exemplo" ?

Segundo me contaram, ele ironizou-me e foi bem deselegante, respondendo que eu não toco nada, e isso explicava o que ele pensava sobre "palheteiros".

Está bem, então...não me importo em "não tocar nada", mas falar isso sobre quem usa palheta, implica citar subliminarmente um músico como Chris Squire, por exemplo. E claro, é de uma imbecilidade atroz...só para citar um baixista que ele chama pejorativamente de "palheteiro".

Bem, é por essa e outras razões, que eu detesto esse mundinho de baixistas pedantes do Fusion-Jazz-virtuosismo, e seus conceitos fossilizados.

Não faço parte desse mundo, definitivamente. 

Toco baixo de 4 cordas, vintage; com encordoamento 040; uso palheta; odeio captação ativa; amplificadores Hartke e similares desse naipe, desenhados para serem usados por baixistas que usam baixos de cinco ou seis cordas, principalmente.

Estou fora !!

Sou Rocker, e não tenho vergonha alguma de me assumir nessa condição.

Claro, no cômputo geral, achei a entrevista bacana, e certamente que foi bastante benéfica para engrossar os esforços de divulgação pró Patrulha e novo CD.

Dois anos depois, essa revista me procuraria novamente e desta feita, lançou uma matéria ainda maior.

Continua...

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 97 - Por Luiz Domingues


Essa saiu na Revista "Rock Press" :


"Após anos de ausência da cena Rock nacional,  e depois da trindade de álbuns que cobriu suas formações entre 1978 e 1990,  Rolando Castello Junior, o supremo batera (um dos melhores do nosso país),  remonta a banda-mito e coloca no mercado um disco do mais puro Rock, sem sombra de dúvida.

Cada nova música das 16 contidas no disco, pratica uma singela homenagem às figuras do Rock mundial, sem vergonha de pagar mico, inspirando-se em características das próprias.

Como assim ?  Por exemplo, vejam a lista : Som Nosso de Cada Dia; Humble Pie, Blind Faith; Grand Funk; Luiz Carlini & Tutti-Frutti; Arnaldo Dias Baptista; Procol Harum; Yes; Mutantes; Led Zeppelin e Paul MCartney.

O Patrulha mistura seu estilo ao de cada um dos agraciados, resultando em um álbum repleto de rockaços emocionantes.

Para os amantes do Rock brasileiro praticado nos 70 e para os fãs do classic Rock, imperdível".

Excelente análise, realmente entendendo que a proposta era explícita em evocar raízes 60/70, sem medo de enfrentar o preconceito dos que são obcecados pela contemporaneidade.

Na Revista da 89 Revista Rock, saiu assim a resenha :

"Após um período estacionado, o histórico grupo Patrulha do Espaço levanta voo e volta a sondar o universo do Rock'n Roll.

O disco começa com a progressiva "Sendo o Tudo e o Nada", e segue explorando outras fronteiras em "O Ritual"; "Retomada" e "Alma Mutante". "O Novo Sim" e as lisérgicas "Eu Nunca Existi" e "Céu Elétrico" já se tornaram clássicos do gênero.

A fase "Arnaldo & Patrulha" é lembrada na regravação de "Sunshine" (com o sax de Manito, ex-Som Mosso de Cada Dia e Os Incríveis), e os Mutantes são homenageados na viajante "Nave Ave".

As belas vozes e guitarras dos novatos Rodrigo e Marcello se encaixam harmoniosamente na swingada "Terra de Mutantes" e na Beatleniana "Sr. Barinsky".

Enquanto  a experiência do baixista Luiz (ex-Lingua de Trapo e A Chave do Sol), e do baterista fundador Junior, ultrapassam a barreira do tempo em instrumentais perfeitas.

"Chronophagia" é uma aula de Rock psicodélico anos 70, em pleno final de milênio".

Daniel Vaughan

Muito boa a resenha do jornalista Daniel Vaughan, que conheço pessoalmente, e sei que tem conhecimento enciclopédico do Rock, portanto, suas impressões tem muito fundamento, e se elogiou, isso muito nos honrou e deixou-nos com o sentimento de dever cumprido.

Já no "Rocker Magazine", o que disseram sobre o nosso disco foi o seguinte :

" Este CD é uma dádiva para aqueles que acreditam na existência do Rock'n Roll no Brasil.

Chronophagia mostra a experiência, técnica e precisão de Rolando Castello Júnior, aliada ao baixo de Luiz Domingues, e a juventude e energia da dupla Rodrigo Hid e Marcello Schevanno.

São 16 faixas incluindo um solo de bateria. O CD abre com "Sendo o Tudo e o Nada", faixa com mais de 9 minutos, onde a banda flerta com o progressivo e mostra de cara que são músicos excepcionais.

Grandes composições , das quais vou destacar "Sr. Barinsky", com um belo trabalho de backing e um ótimo solo de Marcello.

A volta do Patrulha não poderia ser melhor : a alma dos anos 70 aliada à tecnologia do novo século".

Eduardo de Souza


Bem, mais uma resenha com observações muito pertinentes. A curiosa constatação de quanto mais longe do mainstream, mais preparados são os resenhistas, ou sendo bem realista, menos comprometidos com interesses escusos...

 Na Revista "Cover Guitarra", n°69, de agosto de 2000, falaram o seguinte :

"Justamente quando as pessoas começam a acreditar que o futuro do Rock é a música eletrônica, ouvir guitarras e baixos vintage fazendo um som puro e virtuoso é um sopro de vida para os fãs de Led Zeppelin e Cia.

E fazer um hard Rock progressivo com letras em português tem sido a proposta da Patrulha do Espaço que, desde 77, vem unindo elementos pouco comuns à música brasileira, com bom gosto e qualidade.

Musicalmente,os excelentes timbres e solos da dupla de guitarras e Rodrigo Hid e Marcello Schevano são dignos de nota. Vale conferir as viagens na pesada "O Pote de Pokst" e a maravilhosa faixa de abertura, a quase Genesis, "Sendo Tudo e o Nada", bem como o riff matador de "Ser" e os solos alucinantes de "Sr. Barinsky".

Viva a Patrulha !"


R. V.


Não me lembro mesmo quem é o jornalista que assinou só com as iniciais. Mas gostei de sua análise fidedigna do trabalho e não posso deixar de observar que a fina ironia com a qual alfinetou os apressadinhos de plantão, que decretavam o triunfo final da dita música eletrônica, em pleno ano 2000, soa hoje, em 2015 (quando publico este trecho), como uma verdade simples e cristalina. Cadê a vitória esmagadora da música eletrônica ? 

Só se for nas boites gays, onde costuma agradar os seus alegres aficionados...

Continua...

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 96 - Por Luiz Domingues


No Jornal "Ponto Final", que era distribuído gratuitamente para usuários de ônibus, das cidades da Região do ABC, a resenha escrita pelo jornalista Vladimir :

" Seguindo a mesma fórmula dos antigos sucessos, a banda Patrulha do Espaço, lança seu novo CD, 'Chronophagia', após passar mais de dez anos sem nenhuma novidade. Em 1997, eles lançaram uma coletânea com três CD's , reunindo os sucessos da banda, desde os anos setenta.

O novo trabalho é independente e a produção ficou por conta do baterista Paulo Zinner. Quinze faixas, mais uma vinheta de bateria , estão muito bem produzidas, no estilo dos anos setenta.

A maior parte das composições e das músicas deste CD, foram feitas pelos novos integrantes, Luiz Domingues, Rodrigo Hid e Marcello Schevano, além do precursor da Patrulha, Rolando Castello Junior.

Vale a pena conferir !"

Saiu no "Jornal da Liberdade", simpático semanário do bairro da Liberdade, centro de São Paulo :

"O Patrulha do Espaço volta ao cenário musical com um novo trabalho, para provar mais uma vez, que o brasileiro também sabe fazer Rock. E dos bons !

CD independente, ele vem assinado por Luiz Domingues, Rodrigo Hid e Marcello Schevano, os quais, juntamente com os outros integrantes do grupo, depositaram nele toda garra, vontade e dedicação, com a finalidade de reconquistarem público e crítica.

Que as gravadoras fiquem atentas, pois eles tem a certeza de que esse retorno é apoteótico".

A despeito das partes elogiosas a nos enaltecer, não dá para deixar de observar que o texto equivocou-se num ponto crucial !

Ao nominar os componentes da banda, citou apenas três, omitindo o Junior, justamente o membro-fundador, e para piorar, deu a entender que haviam outros membros, talvez obscuros...ha ha ha...

Sem desmerecer o esforço em nos enaltecer, deixo a pergunta : Onde esse jornalista estava com a cabeça quando escreveu essa resenha ?

E essa próxima, foi publicada num fanzine de Londrina, Paraná, chamado "Matéria Prima", assinada por um resenhista chamado Paulão "Rock'n Roll" :

"A Patrulha do Espaço foi a banda que Arnaldo Baptista comandou, quando saiu dos Mutantes. Logo em seguida, ele pulou, e a patrulha continuou.

Existe uma caixa contendo 3 CD's com um encarte contando histórias verdadeiras e lendas misteriosas a respeito desta banda que consegue criar o melhor hard brasileiro.

Coube a Rolando Castello Júnior a nobre missão de pilotar a Patrulha. "Chronophagia" é seu novo lançamento.

Júnior reuniu a tropa de elite e construiu um álbum que resgata numa boa, a melhor musicalidade dos anos setenta.

A Patrulha tem a receita certa para o hard progressivo, reativaram um velho Hammond e a flauta ácida, colocando em atividade 15 faixas inéditas e reeditando "Sunshine" do Arnaldo, com Manito no sax.

A Patrulha mantém a fantasia intacta, alimentando os sobreviventes dos bons tempos e descobrindo para a nova geração, as raízes da nata do Rock".

Que pena que esse Paulão não escreve resenhas para órgãos de imprensa mainstream, não é mesmo ? A despeito de sua forma simples de escrever, os dados e a percepção do que era o álbum Chronophagia, e o significado dessa formação da Patrulha, foram captados com fidedignidade. Nada como ser do ramo...

Continua...

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 95 - Por Luiz Domingues

 

Uma pausa na cronologia da narrativa para retroagir um pouquinho. 

Eis então, mais um apanhado básico das matérias que ainda falaram do álbum "Chronophagia".

1) Saiu no Site Wiplash, assinado por Marcos Cruz :

"Uma das coisas que mais me entristece, é quando ouço um novo trabalho de alguma banda 'das antigas', e constato que devido à ânsia de 'faturar' um pouco,  acabam embarcando em algum tipo de modismo, descaracterizando totalmente sua sonoridade; às vezes isso também ocorre quando os caras 'erram na mão', e acabam fazendo um trabalho muito experimentalista, resultando em algo não muito agradável aos ouvidos.

E por mais paradoxal que possa parecer também, fico triste quando constato que a banda continua fazendo o mesmo 'arroz com feijão' de anos atrás, sem nenhum 'punch', apenas reciclando de forma burocrática sonoridades perdidas em outras eras, de modo a conservar seus velhos fãs (chato eu, não ?)...

Por isso foi uma grande surpresa quando ouvi este novo trabalho do Patrulha, que mesmo sem trazer absolutamente nada de novo, conseguiu fazer um disco que sem sombra de dúvida agradará a todos que gostem  de um bom Rockão 'das antigas', ora soando bem Rock'n Roll, ora como as típicas bandas de hardão setentistas, ora beirando o progressivo clássico, tipo 'Yes'.

Aliás, a própria banda já deixa clara  suas influências no encarte, onde dedicam os temas à bandas/artistas como 'Humble Pie', 'Blind Faith', 'Grand Funk Railroad', 'Yes', 'Paul McCartney, e alguns brazucas ilustres como 'Mutantes', 'Arnaldo Dias Baptista", 'Som Nosso de Cada Dia', entre outros.

Há deficiências ? Sim, claro que há, mas nada que afete de forma profunda o trabalho. Talvez a maior de todas seja o fato dos vocalistas às vezes aparentarem estar no limite de seu alcance vocal. Mas esta deficiência é totalmente encoberta pela competência com que cuidam dos arranjos.

Marcello Schevano, além de tocar flauta, se reveza com Rodrigo Hid na guitarras, vocais e teclados. Luiz Domingues (ex-A Chave do Sol e ex-Lingua de Trapo),  cuida do baixo e a bateria continua a cargo de um dos fundadores do Patrulha, o legendário Rolando Castelo Junior, que tocou no Made in Brazil, além de ter participado do lendário 'Aeroblues', juntamente com Pappo, um famoso guitarrista argentino.

Além de 15 temas próprios, uma releitura extremamente sensível de 'Sunshine', do mestre Arnaldo Dias Baptista, com a participação, com a participação especial de Manito, no sax.

Dificilmente este trabalho atingirá  'disco de platina' , dificilmente será tocado nas rádios (com exceção de alguns poucos programas segmentados), dificilmente alguma faixa se tornará 'trilha sonora de novela global'...

Mas creio que o objetivo de Mr. Junior & Cia, não é este, e sim de sobreviver fazendo o que gostam - que é tocar Rock com muito prazer e competência.

Portanto, se o leitor tiver dificuldade em encontrar este CD (afinal trata-se de um lançamento independente), ou quiser entrar em contato com a banda para shows etc, escreva para a Caixa postal 45367, São Paulo, CEP 04009-970).

vamos prestigiar estes que são um dos últimos representantes de uma raça em extinção - a dos Roqueiros co 'R' maísculo !

Long Live Patrulha !!!"

Marcos Cruz


Bem, como é do feitio do Marcos Cruz, em suas resenhas de discos e shows no Site Wiplash, o texto é longo e recheado de impressões detalhadas sobre o assunto abordado. Particularmente acho essa liberdade de expressão sem limites de espaço, uma iniciativa excelente da parte dele.

Nada tenho a considerar sobre o que ele disse. Curti bastante essa resenha, assim como todos da banda.

Continua...

Autobiografia na Música - Patrulha do Espaço - Capítulo 94 - Por Luiz Domingues


Bem, aspectos folclóricos a parte, o estúdio era o que tínhamos de melhor naquela ocasião, e portanto, tínhamos mais é que nos animarmos com essa oportunidade, sem nenhum complexo de Pollyana, mas sendo apenas realistas.

Encerrada a gravação das bases, que foi naquele espírito de correria para aproveitar o feriado de Corpus Christi de 2001, as sessões suplementares para gravar overdubs de solos e vocais, foram, logicamente mais espaçadas.

Como o aproveitamento da gravação das bases houvera tido um desempenho ótimo, com direito há alguns overdubs sendo adiantados, a necessidade de sessões suplementares, foi bastante reduzida, para a nossa sorte.  
Entrevista conduzida pelo jornalista Dum de Lucca para a Revista Dynamite, nº 45, de junho de 2001.

Outro fator animador nesse aspecto, era que Marcello e Rodrigo estavam afiados para fazer suas partes adicionais de guitarra e teclados. Portanto, as sessões de overdubs desses instrumentos, foram bem rápidas e eficazes, também.

Nesse ínterim, tínhamos enfim uma nova data de show pela frente.

O compromisso era na cidade de Santos, novamente no "Praia Sport Bar". Com um público de 150 pessoas, fizemos um bom show no dia 29 de junho de 2001.

Voltando à gravação, a rapidez com que estávamos gravando emperraria logo a seguir, e uma saída alternativa surgiria para resolver o imbróglio.

Como o estúdio fazia muitas gravações de aspirantes a artistas no mundo brega, e os chamados "discos de dentista", também, o dono do estabelecimento propôs que pagássemos a dívida contraída pelas horas que usamos, com trabalho como músicos em gravações dessa natureza.

Claro que topamos e a ideia inicial seria que eu e Rodrigo prestássemos tais serviços nesse sentido.

Essa história já foi contada com detalhes no tópico "Trabalhos Avulsos", quando contei a saga em gravar o disco de uma cantora chamada Regiane. 
Continua...