sexta-feira, 3 de abril de 2015

Stella Maris - Por Julio Revoredo


Com o vago espaço, e bom estar, sob o signo do vazio

Ad impromptum : Stella Maris

Stella Maris

Stella Maris

O fogo, tomou toda a estensão dos seus olhos bicolores

Verdes azuis verdes

Cai um traço escuro, de um vago espelho ustido

Por um mundo sem sol

Com muitos contornos e sombras

Stella Maris deambula pelo olvidar Kerouac

The Guatemala stone head

The ubaidlizard men

The illustraded man

Enfim ao nada 

Fecha-se Stella Maris

Como o deslocar de um disco voador, em jogo de massacre e fogo



Dedicado à Ciro Pessoa
 



Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas canções em que trabalhamos juntos, em três bandas por onde atuei (A Chave do Sol; Sidharta, e Patrulha do Espaço). 

Neste poema em específico, ele o dedica ao compositor/cantor e escritor, Ciro Pessoa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário