quarta-feira, 25 de março de 2015

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 241 - Por Luiz Domingues


Na Revista Rock Stars nº 16, saiu a seguinte resenha :

"Firme no propósito pela conquista de um lugar ao sol, prossegue em sua batalha o grupo paulista A Chave do Sol, que está lançando agora seu primeiro LP, através do selo independente Baratos Afins.

A banda existe desde setembro de 1982, e iniciou suas atividades como um trio, contando com Rubens Gióia (guitarra); Zé Luis (bateria) e Luiz Domingues (baixo). Recentemente, um quarto elemento se juntou a eles : foi o vocalista Fran, que já comparece no LP.

É interessante perceber que tais grupos se esmeram no sentido de proporcionar à juventude brasileira algo melhor que os campeões de danceteria (Barão Vermelho, Titãs & Caterva),  que  se acomodaram em seu modelo pequeno-burguês, e se esqueceram que o Brasil está mais para favela do que para glitter.

No LP da Chave, destaque para "Um Minuto Além" ("O mundo teria de ser um lugar onde todos pudessem viver / Com a certeza de um amanhã melhor / Com a certeza de um lugar ao sol / Eu só queria entender  por que tantas diferenças sociais ? / Tantas discriminações ? Somos todos iguais"...

Presente também no LP, a faixa instrumental "Crisis (Maya)", que conta com a participação do tecladista Daril Parisi (do Platina). Estamos torcendo para que a banda atinja seus objetivos, marcando assim, uma importante etapa da música jovem brasileira".


A resenha não está assinada, mas pelo estilo e vocabulário usado, está patente se tratar da autoria do editor Valdir Montanari, que realmente se expressava com bastante formalidade, pois além de ser jornalista musical, era também professor de física num colégio tradicional da zona sul de São Paulo, e nos seus textos, a formalidade; o bom uso do idioma; e a ausência de gírias, eram marcas registradas.

Infelizmente, ele citou tratar-se de um LP, o tempo todo, mas na verdade, era um EP, como já sabemos. Mais uma confusão gerada pela falta de ênfase na capa do disco, para deixar clara a rotação alternativa e adequada para ouvi-lo.


Bem, muito interessante ele ter pego o gancho da política, baseado na letra de "Um Minuto Além". A alfinetada no BR-Rock parece não ter sido no alvo correto, pois a despeito da fragilidade musical das duas bandas que citou, no quesito letras, não eram nem de longe as piores, e pelo contrário, muito provavelmente tinham nesse quesito, o seu ponto forte.

Aliás, justiça seja feita, no caso do Barão, o Cazuza escrevia boas letras, com conteúdo e poesia, e se haviam restrições, sem dúvida eram relacionadas à duvidosa performance dele como cantor, e a fragilidade da banda, na parte instrumental (deixo a ressalva, que a banda melhorou muito, anos depois).

Mas ele estava nos enaltecendo, e naturalmente que curtimos essa colocação, ainda que em termos comparativos inadequados, a meu ver.

Acho que ele gostou mesmo foi do teor sociopolítico da letra, e acabou citando "Crisis (Maya)", por ser instrumental e com elementos nítidos de Jazz-Rock, ou seja, algo muito mais próximo da sonoridade setentista que ele apreciava.

A resenha saiu com uma foto da banda, daquela sessão toda equivocada cuja história já contei, e é lastimável que a fotógrafa tenha nos enquadrado num fundo negro improvisado e todo torto.

Bem, posso dar a desculpa de que se tratava de um cenário "expressionista alemão" inspirado em filmes do Fritz Lang, para dourar a pílula, mas na real, era um pano preto; muito mal fixado na parede branca, e que ficou abominavelmente torto...ha ha ha...



Continua...

2 comentários:

  1. Não tinha noção da quantidade de matérias que "A Chave do Sol" participou, muito legal e ver as fotos, os recortes me fez sentir como se estivesse vivendo tudo isso agora. Muito bom!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim e tem muito mais material, que pretendo usar como apoio ilustrativo dos capítulos.

      Grato por estar acompanhando !

      Excluir