domingo, 5 de outubro de 2014

Autobiografia na Música - Sidharta - Capítulo 22 - Por Luiz Domingues

Eu projetava a banda atuando ao vivo, e a reação que produziria

Em minha concepção, o impacto seria tremendo. O Marcello, por exemplo, começaria o show destruindo na guitarra. Algum tempo depois dirigia-se para os teclados e os pilotava como tecladista de anos setenta, rodeado de instrumentos, e destruindo nas bases e solos, aí de-repente, fazia um solo de flauta, sem contar que era lead vocals em várias músicas...
Como se não bastasse tudo isso, o Rodrigo era igualmente habilitado para fazer esses voos brilhantes, o que deixaria o público boquiaberto.

Zé Luiz estava ainda mais técnico em se comparando ao tempo em que nós trabalhávamos juntos nos anos oitenta, com A Chave do Sol, portanto, arrancaria suspiros com sua técnica refinada. 

Em suma, que banda se forjava ali...

E quando tudo virou Patrulha do Espaço, de fato, testemunhei diversas reações de euforia do público vendo essa versatilidade toda do Marcello e do Rodrigo. Mas aqui o assunto é Sidharta, logicamente...

Se o Sidharta estaria na ativa hoje ? 

Bem, não tenho esse pensamento, pois o Sidharta não acabou, ele prosseguiu, tornando-se uma simbiose da Patrulha. 

Nesse caso, não dá para desassociar o Sidharta da Patrulha, como se fossem coisas diferentes, pois houve uma fusão de bandas, na verdade. 

O Sidharta não morreu, portanto, mas simplesmente se fundiu à outra banda que tinha já uma história longa. 

Nessa mescla de passado e tradição, com juventude e sangue novo, ambas lucraram com a fusão, portanto, não tenho como me arrepender.
 

E rejeito assim, a ideia de que se o Sidharta não tivesse se unido à Patrulha, poderia ter tido outro destino, pois seria mera especulação. Vamos supor que sim, se tivéssemos seguido com nossas próprias forças, o que teria acontecido ? 

Muito provavelmente, teríamos demorado uma eternidade para fazer shows; aparecer na mídia; gravar um CD; mas chegaríamos nesse ponto de alguma forma, ainda que percorrendo um caminho mais espinhoso...
 

Portanto, é melhor nem perder tempo com especulações vazias. 


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário