terça-feira, 28 de outubro de 2014

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 179 - Por Luiz Domingues


Após esse show no Lira Paulistana, as conversas evoluíram para que voltássemos ao estúdio, e gravássemos então o segundo disco.

Com a troca de vocalistas, e os planos malogrados para gravar uma demo de qualidade, com o objetivo de levarmos tal material às gravadoras Majors, claro que a oferta vinda de Luiz Calanca, do selo Baratos Afins, foi muito bem recebida por nós. 

O produtor e dono da famosa loja Baratos Afins, Luiz Calanca

Se no primeiro trabalho, o compacto, trabalhamos num regime de cooperação, 50/50, desta feita, ele queria bancar o trabalho sozinho, num regime semelhante ao de uma gravadora tradicional.

Lógico que na situação financeira que tínhamos naquele instante, somada à necessidade premente de um novo registro fonográfico, aceitamos a proposta de pronto, e aceleramos os ensaios para fechar o material. 


Músicas como "Ufos" e "Segredos", muito pesadas, e no nosso entender, capazes de atender a demanda de um nicho diferente de público que procurávamos, já estavam compostas e praticamente arranjadas.

Decidimos incluir apenas uma música do repertório antigo da banda, chamada "Crisis (Maya)", que era um tema instrumental e que havia sido exibida três vezes no programa "A Fábrica do Som". 


Apesar das mudanças significativas que pretendíamos executar, achamos importante ter um tema instrumental no disco, para manter um pequeno elo com o som antigo da banda, e essa música era sempre bem aplaudida nos shows.

"Anjo Rebelde", era outra que estava pronta (já a tocávamos ao vivo, desde a metade de 1984), e a considerávamos, um "Hard-Rock" estilo setentista, mas com o Fran assumindo os vocais, ela ganhou um punch extra, e adequou-se ao que buscávamos, também. 

Uma balada surgiu de última hora, graças à uma inspiração que o Rubens teve, criando um riff na guitarra. 

Mas não fora tão fortuito assim, pois estávamos impressionados com a possibilidade de ter uma balada pesada, que tivesse a capacidade de atender a demanda desse público, mas que fosse ao mesmo tempo, palatável aos ouvidos de gente não aficionada do Rock, e do Heavy-Metal, principalmente.

E essa impressão era bem óbvia, com o sucesso estrondoso de uma balada da banda germânica Scorpions, chamada "Still Loving You", que tocou nas rádios ad nauseum, por conta do Rock in Rio, e também por alimentar tema de novela da Globo, simultaneamente.

Nesses termos, trabalhamos nessa ideia de riff criado pelo Rubens, com a intenção deliberada de buscar um resultado semelhante.

Com a presença do Fran, e sua voz potente, além do poder de interpretação dramático que ele imprimia, tinha tudo para dar certo. 


A letra da canção foi desenvolvida pelo Fran. 

Falando em sua estupefação pelas diferenças sociais, nos poupou de uma letra romântica, evocando o amor homem-mulher, o que seria esperado numa balada tradicional. Claro que curtimos a letra que ele escreveu, muito mais interessante e forte, ainda que pudesse descambar para a pieguice, se não tivéssemos cuidado.

Foi dessa forma que surgiu "Um Minuto Além", música que nos trouxe alegrias, tornando-se certamente, a melhor em termos de visibilidade que esse novo disco, nos daria.

Nos últimos ensaios, estávamos fechando a derradeira canção surgida para o novo trabalho : tratou-se de mais uma música pesada, chamada "Ímpeto", com outra letra escrita pelo Fran. 


No caso de "Segredos" e "Ufos", usamos dois poemas do poeta Julio Revoredo. Gosto bastante dessas letras, e acho que tem versos muito fortes, com poder filosófico de aforismos, até, e apesar da tradicional condição hermética com a qual o trabalho dele se desenvolve, existe um componente pop nelas, por incrível que pareça.

No caso de "Anjo Rebelde", a história dessa letra eu já comentei en passant em capítulos anteriores, mas vale a pena esmiuçar um pouco mais, neste ponto da cronologia.


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário