sexta-feira, 11 de julho de 2014

Celebrar - Por Telma Jábali Barretto


O que merece celebração ?

                                                      
Tanto ? 

Muito pouco ?        


Cada qual tem seus porquês e quanto mudam esses porquês ao longo da vida...
Comemoramos quando concluímos, algumas vezes iniciando e, outras, ainda, sendo capazes de dar continuidade...


Manter-se em marcha, em tempos tão ágeis, requer algumas qualidades ! 
Para começar, coragem, e, para concluir, desapego e/ou muitas atentas e continuadas escolhas que nos levam até lá.


Vale mesmo a trajetória !


Os ciclos começar, continuar ou finalizar, são os convites com os quais a vida nos ensina em seu desfilar...e quão ameaçadores, quase sempre, são tais ciclos !


Quão festejados os mesmos ciclos.


Jogo da Vida...Maha Lila...


Celebramos maioridade, seja dos 18 ou dos 60...


Com diferentes solenidades, festejaremos !


Celebramos entrar e sair da faculdade...

Novo cargo ou habilidade conquistada...


Vencer uma dor, perda...


Transpor decepção ou redimensionar vitória ! 


Não fazemos, mas, talvez, devêssemos celebrar a cada amanhecer...


Cada noite bem dormida, cada dia que saudavelmente cumprimos afazeres, cada alimento degustado saborosamente no tempero ou

no tempo precioso investido, cada banho revigorante, cada aprendizado transformador, cada preguiça vencida ou atitude sobre si levada a sério...


Quanto e tanto por valorizar !

Fortalecendo e dignificando o existir !


Passagem do tempo, seja ele cronológico ou da experiência vivenciada e  absorvida que valerá lembrar, rememorar e comemorar, demarcando etapas de diversas e significantes importâncias da história construída, que, esperamos, vividas em plenitude !


Fica aí um incrível sentimento de mérito, gratidão...eternizado, em emoções inesquecíveis e indescritíveis, experimentadas nas solenidades e festejos por ter sido, por ser e pelo que vier a ser...

                                                                
Amém !!!


Telma Jábali Barretto é colunista fixa do Blog Luiz Domingues 2. Engenheira civil, é também uma experiente astróloga, consultora para harmonização de ambientes e instrutora de Suddha Raja Yoga.

Nesta crônica, analisa o ato da celebração, como importante elemento na caminhada do ser humano, indo além do aspecto motivacional, mas enxergando a gratidão pela oportunidade de crescer.    

8 comentários:

  1. Penso que a comemoração é uma forma de gratidão, estão unidas.
    Lindo e edificante texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jani ... não estou segura que todas estejam unidas (comemoração/gratidão), algumas talvez não...implícitas?! quem sabe o que vai dentro de cada um!
      Mas fico feliz e grata com sua leitura, mais ainda com o comentário!

      Excluir
    2. Oi Telma, realmente nem todos comemoram como forma de gratidão, mas acredito que o "Universo" entende como tal. Assim espero!!

      Eu que agradeço por contar com uma boa leitura através de seus textos

      Excluir
    3. É tudo que esperamos!
      Grata mais uma vez por seu comentário...Retornos assim estimulam a continuar 'pensando em voz alta'...rsrsrs

      Excluir
  2. Adorei!! Acredito que seja importante para nós terráqueos usarmos a comemoração como forma de avançar cada dia mais um degrau de algum tipo de evolução, seja pessoal, profissional, espiritual, concordo com a Jani, é uma forma de nos gratificarmos pela nossa existência neste plano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim ... aproveitar ao máximo as oportunidades de crescimento e, gratidão, sempre: por enxergar, valorizar, usufruir... celebrando!
      Obrigada Ana por seu comentário. Na mas tê! _/\_

      Excluir
  3. Felicitaciones siempre sus palabras son un aprendizaje

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muy feliz con sus felicitaciones! Gracias, muchas gracias a usted!
      Muy sincero na mas tê! _/\_

      Excluir