quarta-feira, 9 de julho de 2014

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 130 - Por Luiz Domingues


Pois foi o poeta Julio Revoredo quem teve a ideia que salvaria essa situação. 

Partindo inteiramente dele a iniciativa, propôs que Chico Dias ocupasse um quarto que estava vago em sua residência, no bairro do Brooklin, zona sul de São Paulo.

Tal oferta generosa foi imediatamente aceita por nós, e além do mais, para quem não conhece São Paulo, se não era exatamente perto da residência do Rubens, digamos que ficava numa linha reta, bastando usar qualquer ônibus que circulasse pela Av. Santo Amaro, sentido centro, e sem trânsito, chega-se em 20 minutos aproximadamente. 


E também dava para encarar a pé, não era nenhum bicho de sete cabeças.

Claro, ficou estabelecido que o Chico daria uma ajuda de custo para auxiliar nas despesas, visto que faria refeições, fora as demais despesas naturais de uma residência. Mesmo assim, sairia muitíssimo mais barato do que hospedá-lo numa pensão tradicional.

Fora o fato de que estaria num lar, muito diferente de ficar numa pensão entre estranhos e sem dúvida, com o Julio Revoredo ele estaria acompanhado de um grande amigo, incentivador e colaborador/parceiro da banda. 


O dia em que o Rubens foi buscar Chico Dias na rodoviária Tietê : habemus vocalista ! Foto de Julio Revoredo

Então, poucos dias depois, assim que chegou do Rio Grande do Sul, o Rubens o levou à residência do Julio. Esse dia "histórico" para A Chave do Sol, foi registrado em fotos, pelo próprio Julio, que sempre teve o hobby de fotografar.

Era um passo e tanto para o jovem Chico Dias. Ele estava com o semblante assustado, e sua adaptação não foi nada fácil.

Demos um dia de folga para ele se recuperar da longa viagem e no dia seguinte, teríamos o primeiro ensaio e o início de um esforço para colocá-lo em condições de apresentar-se ao vivo, visto que tínhamos datas fechadas à vista. 


E havia uma preocupação extra : com a mudança de formação de trio para quarteto, o repertório sofreria mudanças. Precisávamos de mais músicas vocalizadas, diminuindo a quantidade de temas instrumentais, que tínhamos em profusão na primeira fase da banda.

Além disso, era a oportunidade para criar mais canções pesadas, dentro daquela proposta de adequar mais o som à realidade dos anos oitenta.

Enfim, era um tempo de muito trabalho para correr contra o relógio e deixar A Chave do Sol em condições de brigar por um espaço no mainstream do BR-Rock 80's.


Chico Dias posando num daqueles muros que picháramos em 1983...Foto de Julio Revoredo


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário