sábado, 24 de maio de 2014

O Homem Romântico (Réquiem por Taiguara) - Por Marcelino Rodriguez

O homem romântico, em geral, não é compreendido pelas demais pessoas do mundo. Parece ingênuo, mesmo tolo. Vou basear-me, para tentar caracterizar o Homem Romântico, em Taiguara, incompreendido já na sua época; houve mesmo quem o achasse melodramático pela canção "Hoje", que me parece extremamente atual.

"Hoje, homens da aço esperam da ciência
Eu desespero e abraço a tua ausência.../
Eu não queria a juventude assim perdida
Eu não queria andar morrendo pela vida"

(Hoje)
 
Só que o homem romântico é um tipo superior de homem. Por favor, entendam que não me refiro à um fenômeno literário apenas, que, no nosso caso específico, foi o que sofreram os chamados poetas do "mal do século", que foi um caso datado, sem querer desmerecê-los. Falo do romântico atemporal, o próprio arquétipo do cavaleiro valente, do homem honrado e ético.

"Sorriso bom, só de dentro
Ninguém é bom sendo o que não é
Pra ser feliz com mentira
Melhor que eu chore com fé"

(Piano e Viola)

Além de uma visceral autenticidade, o que mais poderia caracterizar o Homem Romântico? Colin Wilson, em prefácio à um livro de H. P. Lovecraft, conta a seguinte história, para diferenciar o Homem Romântico do homem prático.

Um navio vai em alto mar, em viagem tediosa, carregando toda uma tripulação condenada, apenas, numa viagem sem fim, a descascar batatas. De repente, toda tripulação começa a ouvir um canto misterioso, vindo das profundezas do oceano. Os homens práticos, desconfiados de que aquilo poderia ser um delírio perigoso, voltam as costas aquele canto e seguem, na viagem interminável, descascando suas batatas. Os homens românticos, presumindo que aquele som mavioso poderia ser o canto das sereias, mergulham fundo no oceano, abandonando o navio, partindo em busca do maravilhoso, do desconhecido.
O homem romântico é um aventureiro, mas não um irresponsável. O amor é sua prioridade máxima na vida; não o amor apenas por uma mulher, mas pelas causas artísticas, sociais, políticas; na verdade, ele está empenhado em concretizar uma utopia qualquer. O Homem romântico, ao contrário dos práticos, não é um comerciante, é um comunitário. Preocupa-se, responsabiliza-se, não compete; alegra-se em praticar a solidariedade, não para receber aplausos. Praticar o bem é uma guerra particular dele, tanto como sua alegria. O reconhecimento que espera são as amizades que conquista, o sorriso de uma criança ou a paz profunda, a sensação do dever cumprido. É claro que sofre decepções, tristezas profundas, mas ninguém se lhes iguala em entusiasmo.

"Eu desisto, não existe
Essa manhã que eu perseguia
Um lugar que me dê trégua ou que sorria
E uma gente que não viva só pra si"

(Universo Do Teu Corpo)

'Vai, não espere venha a vida em suas mãos
Faz em fera a flor ferida e vai lutar
Pro amor voltar/
E o mundo inteiro vai ser teu"


(VIAGEM) 
Por apoiar-se em valores reais, a força do romântico é incomensurável. Por ser sincero, faz amigos com facilidade; por ser amoroso, conquista o amor do povo; por ser confiável, conquista a proteção dos poderosos. Como o amor e a generosidade são o seu lema, pois ignora preconceitos, o homem romântico vive em qualquer lugar como se fosse sua casa.

"Hoje a minha pele já
Já não tem cor
Vivo a minha vida
Seja onde for"


(O Sonho Não Acabou)

Fernando Pessoa dizia que é preciso ser prático para ser gerente de uma fábrica de tachinhas, mas é preciso ser romântico para criar um mundo.
Entendam que quando falo "prático", não me refiro ao estereotipo fácil. Eu sei que pensar dá trabalho, mas é preciso. É possível realizar-se utopias. O romântico é um sonhador, não um deslumbrado. Não creio que Taiguara, o romântico da vez, haja tido maiores problemas com suas contas.

Romântico é aquele que aceita suas visões, seus sentimentos. É aquele que age por paixão, não a paixão que escraviza, mas a que liberta. Não teme a loucura, pois sabe que quem quiser fazer-se de sábio neste mundo, tem que fazer-se de louco. O homem romântico sofre de uma curiosidade insaciável; quer saber de tudo, lê de tudo, acumula sabedoria das mais variadas fontes. Uma vez perguntaram a Chopin, ao vê-lo com uma pilha de livros sobre vários assuntos, se ele não tinha medo de enlouquecer. A resposta ?
 
- "Bem, se eu não ficar louco, serei um gênio."  
E a mulher, que papel desempenha para o homem romântico? O fim último desta vida terrena, sua conquista máxima. O refúgio da sua solidão, o seu consolo no desencanto. Alguém que ele ama e protege como a sua Igreja; o amor é a religião do romântico. Cavaleiro, homem algum pode tratar melhor uma mulher; fraterno, ninguém pode ser melhor companhia. O próprio mundo feminino justifica-se pelo homem romântico, que o honra e protege.

'"Nessa rede ela prendeu
Minha dor civil, minha solidão
Nessa rede eu vi nascer
Minha liberdade"

(Maria do Futuro)


"Vem que eu digo
Que estou morto
Pra esse triste mundo antigo
Que meu corpo, meu destino, meu abrigo
São teu corpo amante amigo em minhas mãos"

(Universo Do teu Corpo)
 
E agora, enfim, diante da realidade, que é a de que a humanidade não é exemplo de bondade para fera alguma, que o número de egoístas e insensíveis é infinitamente maior e que, nos tempos que correm, apequenam-se cada vez mais, vítimas da peste emocional a que William Reich já alertara, como pode subsistir o homem romântico? Qual o segredo da sua sobrevivência? Simples: a grandeza de sua própria alma.

O homem romântico vive no seu próprio mundo. Apenas passa por este, deixando algumas flores do seu ideal maior, que seria a realização plena de sua humanidade. Mas ele é muito roubado pelo caminho, em termos de criação. Sofre uma solidão insuspeitada, pois tem olhos de águia. Vê e presente coisas que passam despercebidas ao outros. De modo que ele morre, quando não completamente desiludido, satisfeito por saber que a morte pode ser uma nova utopia, uma nova aventura, ainda que a do descanso eterno.
Certa vez, no programa Sem Censura, a apresentadora perguntou a Taiguara porque ele havia deixado o país. Com um sorriso enigmático, grandeza de menino, ele responde:

- "Não posso viver num país que não compartilha das minhas idéias.


E, ali, pude compreender o quanto um homem pode ser grande e, um país, pequeno.
 



Marcelino Rodriguez é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Escritor de vasta e consagrada obra, aqui nos apresenta uma crônica que tem o peso de um ensaio, refletindo na obra do compositor Taiguara, a dificuldade de ser romântico, sem correr o risco de ser mal interpretado.  

10 comentários:

  1. prefeição e Taiguara são sinônimos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentário sintético que diz tudo...

      Obrigado por ler e comentar, Barbarella !

      Excluir
  2. Maravilhoso texto que expressou com perfeição o homem romântico. Sei muito bem o que é esse ser, fui criada por um.
    Grata pelo que li, pelo que senti.
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que coisa mais bonita nos contar que o texto do escritor Marcelino Rodriguez a fez se lembrar de seu pai.

      O Blog agradece o seu comentário tão cheio de emoção !

      Excluir
  3. Taiguara é maravilhoso poeta!!! Utopias...todas...muito bom...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que se identificou com o texto do Marcelino Rodriguez e a sua citação de Taiguara !

      Grato por ler e comentar !

      Excluir
  4. Romantismo não é tolice, mas uma condição intrínseca que todos deveriam externar...é um carinho pra alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que não, Ana Beatriz !!

      Concordo com sua observação, pois também acredito que o homem que não o expressa, é só um tolo seguindo paradigmas ultrapassados de cunho machista.

      Muito grato por ter lido a coluna de meu amigo Marcelino Rodriguez. Visite sempre o Blog !!

      Excluir
  5. Lindo texto,amigo!
    Romantismo é sensibilidade aflorada, e isto não é vergonhoso e nem "coisa de mulher".
    Taiguara é incomparável!
    letras profundas e cheias de poesia!
    bjus e bravo!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que honra para o Blog receber a vista da escritora Elyane Lacerdda !

      Sim, o romantismo não é exclusividade do universo feminino. E sim, Taiguara o expressou com poesia e profundidade...

      Grato por ler, comentar e elogiar !

      Excluir