domingo, 30 de março de 2014

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 100 - Por Luiz Domingues


De uma certa forma, o fato do disco ter enfrentado entraves burocráticos e extra musicais para ficar pronto, teve um aspecto atenuador para a banda.

Ocorreu que no período entre o fim de janeiro, até a minha saída do Língua de Trapo pela segunda e definitiva vez, no início de julho de 1984, quase não houve brecha possível para agendar shows da Chave do Sol.

Portanto, o risco que corremos em perder o bom embalo construído arduamente desde 1982 (e potencializado pelas aparições na TV), era enorme.

Isso somava-se ao fato de não termos na ocasião um empresário que pudesse capitalizar o "momentum" propiciado pela exposição midiática.

Então, o fato do disco ter demorado para sair, de certa forma foi estratégico, pois quando ficou pronto enfim, coincidiu com a época em que eu estava de saída do Língua de Trapo, portanto, com liberdade para dedicar-me integralmente à Chave do Sol, novamente.

Nesse ínterim, tivemos mais uma participação no programa "A Fábrica do Som", da TV Cultura. 

Nessa participação que foi ao ar no dia 31 de março de 1984, tocamos "Luz"; "Crisis (Maya), e novamente "Átila". 

Somente as duas últimas que citei, foram ao ar, e os respectivos vídeos estão no You Tube. 

Desta vez, a produção do programa fez jogo duro, e o Zé Luiz teve que usar a bateria Gope, acrílica da TV Cultura, como houvera sido na nossa 3ª aparição, em novembro de 1983. 

 http://www.youtube.com/watch?v=oZlb0BzsKhI

O link acima direciona para o vídeo de "Átila", performance da 4ª aparição da banda no programa "A Fábrica do Som", gravado no dia 27 de março de 1984, e que foi ao ar em 31 de março de 1984 

O Rubens aparece nesse vídeo com o cabelo bem mais curto do que o habitual, pois questão de dias antes, foi padrinho de casamento de sua irmã mais velha, Roseli Gióia. 

Apesar de "negociar" insistentemente com sua irmã para ir ao casamento com o cabelo preso, ela foi irredutível, e ele deu um corte meio exagerado para os nossos padrões rockers setentistas... 

O Zé Luis iria usar uma camiseta com o Logotipo novo que acabáramos de adotar, e estaria na capa do compacto. 

Era a famosa ilustração da pomba voando em direção ao sol. Mas ela não ficou pronta a tempo, infelizmente.
Esta camiseta eu nunca usei, mas a preservei como peça de memorabilia da Chave do Sol

Esse logotipo foi usado nessa remessa de camisetas e também em bottons que mandamos fazer. Foi um sujeito chamado Paulo que nos propôs esse merchandising e mediante um pacote, acabamos fechando o negócio.

A arte final era de um rapaz chamado, José Vicente Dias, que já comentei anteriormente.

De todas as nossas seis apresentações na Fábrica (somente cinco foram ao ar, e logo mais eu explicarei essa 6ª aparição que tem uma história sui generis), essa foi a mais comedida de todas para nós, tanto em termos técnicos, quanto na recepção do público.

 http://www.youtube.com/watch?v=oZlb0BzsKhI

O link acima direciona para o vídeo de "Crisis (Maya), executada ao vivo no programa "A Fábrica do Som", gravado em 27 de março de 1984, e que foi ao ar no dia 31 de março de 1984  

Mas de forma alguma poderia dizer que foi ruim. Foi boa, só não teve o calor efusivo das anteriores e da derradeira, posterior.



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário