terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Herma - Por Julio Revoredo


Dop heptaédrico céu terreno

Que veste-se de invertida armadura aquosa

Donde veem-se, de olhos venífluos, a torre do cego afórmico, onde a cítara, tange um browniano Sordello.

Penso além do seu corpo, sobrepenso sobre os seus olhos indescritíveis.

Somos o então e o pensar, e voo.



Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas músicas que compusemos em parceria, em três bandas onde atuei : A Chave do Sol, Sidharta e Patrulha do Espaço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário