quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Autobiografia na Música - Sala de Aulas - Capítulo 7 - Por Luiz Domingues


Com o avançar dos meses, foi aumentando gradativamente o número de alunos. 

Cheguei ao final de 1987 com um número aproximado de dez alunos. A maioria concentrada no sábado, o dia mais concorrido, mas já começando a aparecer alguns alunos para os dias úteis.

E ainda em 1987, arrumei também um aluno em domicílio. Como esse rapaz morava relativamente perto da minha casa, não compensava para ele se deslocar até o longínquo bairro do Jardim Bonfiglioli. Eu ia à casa dele às 10:00 da manhã, passava em casa para almoçar, e corria para estar às 14:00 h. na casa do Beto Cruz, onde a maioria me esperava.

Nesses meses de 1987, as aulas se estabilizaram relativamente bem, mas era ainda uma fase inicial da montagem do meu método, que só evoluiria mesmo de 1989 para frente, atingindo seu clímax entre 1992 e 1996. 


Virou o ano, e agora as minhas aulas começaram a conviver com uma outra realidade. 

A Chave do Sol havia passado por uma violenta ruptura, e tendo que assumir às pressas uma nova identidade e formação, passou a ocupar a sala de estar da casa do Beto, para ensaiar. 

Todo o equipamento ficava montado "full time", o que de certa forma era um visual bonito e estimulante para os alunos, tanto os  meus, quanto os do Beto.

Outro fato interessante do começo de 1988, é que conheci fortuitamente duas pessoas que se tornariam grandes amigos, me apresentando à outros bons amigos que acompanhariam a minha trajetória dali em diante. 


Foi dentro do ônibus Belém-Jardim Bonfiglioli, que um dia notei dois jovens que me olhavam insistentemente. 

Estava acostumado a ser reconhecido nas ruas, por conta da exposição boa que tive na década de oitenta com A Chave do Sol, e o Língua de Trapo.

Mas como descemos no mesmo ponto da Av. Comendador Bonfiglioli, eles criaram coragem e me abordaram. Eram os irmãos Fazano, ambos guitarristas, e que sim, me reconheceram por conta da Chave.

Eles moravam na rua transversal da rua do Beto, e desconfiavam ter alguma movimentação por ali, por ouvirem de longe os nossos ensaios e presença de cabeludos em profusão...



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário