terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Autobiografia na Música - Pitbulls on Crack - Capítulo 9 - Por Luiz Domingues


 
O P.A. alugado para o show, era de propriedade deste famoso músico setentista, e ele mesmo operava-o costumeiramente, apesar de ter técnicos contratados ao seu dispor. Quem conhece-o pessoalmente sabe que ele é um sujeito legal, mas normalmente tenso. Não pise no seu calo, pois é estourado, e ele parte para a briga, decidido a não perder. Então, na passagem de som do "Não Religião", o Tatola pediu para aumentar sua voz no retorno. Não satisfeito com o acréscimo concedido, pediu novamente, e na terceira vez, gritou com ele...
Eu estava na coxia observando o soundcheck, e vi o técnico cortar o som, e pendurar-se literalmente na casinha da técnica, para iniciar um violento bate-boca com muitos xingamentos etc. O Tatola também era temperamental, a responder na mesma altura, e após vários impropérios e ofensas à dignidade das respectivas progenitoras de ambos, o clima serenou-se.

Veio o Pitbulls passar o som, e mesmo vendo o técnico transtornado, tudo correu tranquilo para nós. Conosco era sempre relax, pois os meus colegas não tinham essa característica de nervosismo (e nem eu), muito menos estrelismo.
O técnico foi acalmando-se e entrando no nosso clima descontraído, e rindo das piadas do Chris, que nunca parava um segundo de brincar. Quando encerrou-se o nosso soundcheck, ele passou por perto e disse-me que tinha gostado de nós, e que eu ia ver como a nossa mixagem seria um "brinco", e a do Não Religião, um lixo...
Claro que desaprovo sabotagens, mas isso era entre eles, e o que eu poderia fazer ?  E de fato, o nosso show foi muito bom, com uma monitoração muito caprichada, parecendo um disco para nós, e no show do "Não Religião", parecia uma maçaroca de frequências graves, que arruinavam qualquer chance de entender a voz do Tatola. Tudo bem que o som dos rapazes era no padrão "punk' 1977", com aquela pegada de anti-música etc e tal, mas as letras eram significativas, batendo nas religiões, e sem serem compreendidas, reduziram a banda a uma massa amorfa. E no segundo show, havia uma promoção na bilheteria da casa, e as mulheres entravam de graça. Acho que nunca toquei para uma plateia feminina tão grande (a não ser uma vez na Chave do Sol, mas conto no seu capítulo, certamente).
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário