segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 38 - Por Luiz Domingues



4) Ainda falando de bastidores, lembro-me de numa noite, termos tido a sorte de tocar numa festa da Rede Globo, comemorando o encerramento de uma mini série, chamada: "Bandidos da Falange", falando sobre o submundo do crime no Rio de Janeiro etc e tal.

Toda a equipe técnica, diretores e muitos atores se esbaldaram ao som da Chave do Sol. Lembro-me da Betty Faria; Roberto Bonfim; Gracindo Júnior, e Júlia Lemmertz, entre outros, dançando enquanto tocávamos.


 
 

 

Informações sobre a mini-série "Bandidos da Falange" :

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bandidos_da_Falange


E também eram notórios os shows de artistas famosos faziam ali. 

Naquela época, todo mundo do BR-Rock que estava explodindo, se apresentou ali com multidões assistindo-os, e muita badalação.

Os shows de artistas grandes do mainstream, aconteciam às sextas e sábados. 


Nunca fomos assistir nenhum, mesmo porque não nos interessávamos por aquela turma oitentista, com menção honrosa ao Barão Vermelho, e ao Herva Doce, que não eram frutinhas da árvore punk, e mantinham suas raízes no Rock e no Blues.

E que fique bem claro, nessa primeira leva de artistas, o BR-Rock era predominantemente carioca (com exceção do Paralamas, mas estes estavam radicados no Rio, também). 


Paulistas e brasilienses começaram a ter espaço após, 1984.

Mas tivemos um contato discreto com uma delas, numa sexta onde havíamos passado ali só para apanhar o nosso equipamento, que não fora possível remover na madrugada anterior, quando tocamos. 


Era uma tarde quente de sexta, quando vimos dois carros com placas do Rio de Janeiro, abarrotados de equipamentos e cabeludos chegando. Era o Herva Doce aportando na Alameda Lorena.

Foi engraçado ver os caras numa situação não glamourosa, esbaforidos da viagem, descarregando o carro eles mesmos, sem roadies. 


Lembro de um dos carros ser uma "Belina", anos setenta, abarrotada de coisas.

O guitarrista Marcelo Sussekind perguntou-nos a hora certa. 

Engraçado o destino, pois alguns anos depois, o Rubens na sua fase pós-Chave, e pré Patrulha, chegou a gravar um LP com uma banda que prometia estourar. 

Esse disco foi gravado no Rio, com toda a mordomia de gravadora major, e o Marcelo Sussekind seria o seu produtor...
 

Só complementando, acho (não tenho certeza, corrijam-se se for o caso, por favor), que a tal banda se chamava "Catedral".

Particularmente eu tinha um respeito grande pelos músicos do Herva Doce, pela sua árvore genealógica boa. 


Eram oriundos da Bolha, e do Bubbles, fora ramificações com Os Mutantes, Veludo etc. 

Não eram da turminha do "Do It Yourself", pelo contrário, tinham história e estrada.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário