segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 17 - Por Luiz Domingues




Pois é, foi o que aconteceu. 

Animados com a voz dela, mais a repercussão do show no festival estudantil do colégio Manuel de Paiva, não nos abatemos com os dois shows fracos de público no Café Teatro Deixa Falar, e aceitamos de pronto o desafio de fazermos temporada fixa no "Devil's Bar", nova casa da Dona Sabine.

Para quem viveu a época, sabe que o primeiro e o segundo quarteirões da Rua 13 de maio no Bexiga, eram forrados de bares com música ao vivo.


Isso atraía uma multidão de pessoas que lotavam as casas e geralmente ficavam centenas de pessoas andando pela rua. 

Era uma multidão tão grande, que em dados momentos, se tornava impossível trafegar de carro por ali, com a multidão ocupando todos os espaços. 

E era engraçado ouvir o som de bandas se confundindo no vazamento que ia às ruas. Rock, blues, MPB, Jazz...rolava de tudo, literalmente.

O Devil's, no entanto, era praticamente um buraco. 


Dona Sabine deve ter comprado ou arrendado a "preço de banana", pois sua estrutura estava péssima. Cozinha imunda; banheiros péssimos; instalações elétricas precárias; mobília velha e quebrada em muitas peças...


Mesmo assim, topamos tocar e pela segunda vez, fizemos cartazetes e flyers para um show da Chave do Sol. 

Lembro-me que esse material tinha nosso nome, o serviço e uma vaga observação de que tocávamos "Rock". E como ilustração, uma foto do B.B. King.

O primeiro show foi realizado no dia 2 de dezembro de 1982, e teve 15 pagantes. 


No segundo dia, 3 de dezembro de 1982, conseguimos melhorar, levando 25 pagantes e daí, começou um boca-a-boca na rua, de que havia uma banda muito louca no Devil's, com um guitarrista que tocava Jimi Hendrix imitando a performance de tocar nas costas e com os dentes como ele (Hendrix) fazia; um baixista alucinado que tocava com um chapéu pontudo de bruxo (verdade, usei de brincadeira no primeiro show e o negócio "pegou"), e uma vocalista doida que cantava muito, mas quando bêbada, azucrinava no palco...

Desse forma, foi aumentando o público nos shows posteriores e ficando frenético, cada vez mais.



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário