domingo, 1 de setembro de 2013

Autobiografia na Música - Terra no Asfalto - Capítulo 40 - Por Luiz Domingues


E assim, o Cido Trindade apareceu, montou sua bateria e sem passar o som, tocamos todo o nosso repertório, sem problemas. 

Com pequenos erros quase irrelevantes, fez uma ótima participação.

 

Indo além, ficou nítido para todos que ele havia proporcionado à banda, um enorme crescimento. Todos se entreolhavam e riam, vendo o quanto o som da banda havia crescido.

Era por outro lado, uma infâmia, pois o Cido estava ali quebrando o galho como substituto numa circunstância terrível, já que o baterista Edson "Kiko" estava convalescendo de um acidente. E era absolutamente recente, com o Kiko ainda sentindo as dores decorrentes do acidente de moto. 


Já no intervalo, o guitarrista Aru Júnior observou que a despeito da situação do Edson Kiko, não poderíamos ignorar o fato de que o Cido Trindade era muito mais técnico e se encaixara perfeitamente à banda, mesmo sem ensaios. "imagine ensaiando", dizia-me entusiasmado, o Aru Júnior.

Ele era o único que não conhecia o potencial do Cido. Os demais, Paulo Eugênio e Wilson, estavam acostumados, de tantas apresentações do Cido conosco, em formações anteriores do TNA.

Criou-se assim uma pressão terrível a partir desse mesmo dia, para efetivar o Cido na banda e isso era uma atitude muito desagradável em todos os sentidos, pelos aspectos éticos e morais. 


Tecnicamente, era óbvio que o Cido tinha mais condições, fora a bagagem pessoal no tocante à sua formação Rocker, coisa que o Edson não tinha. E o mais óbvio aspecto : Era nosso amigo de longa data.

Durante algumas apresentações, esse impasse foi crescendo, enquanto o Kiko ia se recuperando, e querendo voltar a ocupar seu posto, naturalmente. 

Íamos visitá-lo, e esse clima desagradável entre nós, só crescia. 

Todos estavam fechados na ideia de efetivar o Cido, mas eu me sentia muito mal com essa situação, principalmente pelo fato de eu ter sido responsável pela sua indicação à banda (referindo-me ao Kiko), fora a questão dele ter se ausentado graças a um acidente. 

Não que os outros não fossem sensíveis à essa situação, mas...
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário