terça-feira, 24 de setembro de 2013

Autobiografia na Música - Língua de Trapo - Capítulo 50 - Por Luiz Domingues

E era a chegada a hora de satirizar o universo das Escolas de Samba, seus Sambas-enredo com temas históricos, e outros maneirismos típicos desse mundo. 

E o Laert e o o Carlos Melo não economizaram nessa sátira, indo mexer num vespeiro muito perigoso, pois o personagem a ser homenageado nesse "samba-enredo" era um ícone da direita brasileira, fundador de uma organização ultra católica, e ligada à direita radical

Em tempos ainda de ditadura, embora abrandada, e caminhando para o final, não era de bom tom fazer uma gozação assim, mexendo com uma organização muito ativa naquela ocasião, e famosa pela sua militância forte nas ruas. 

Mas a letra passou na censura (inacreditável que tenha passado !!), e nós passamos a executá-la nos shows. 

Mais para a frente, relatarei os problemas que tivemos por conta disso. 

E a música era hilária... 

Laert fazia o "puxador do samba", cantando-a com todos os clichês típicos dos desfiles do carnaval, arrancando gargalhadas histéricas da plateia. 

O Pituco atacava de "cabrocha", dançando, ou melhor, sambando, com aqueles trejeitos todos, e reforçava o vocal no refrão. 

O Lizoel fazia o cavaquinho, e a ideia inicial era que todos os demais tocassem instrumentos de percussão para reforçar a batucada, dispensando o uso de baixo, guitarras e teclados. 

E o João Lucas atacava de porta-bandeira, com o ator Paulo Elias fazendo o mestre-de-cerimônias. 

Mas aí entrava o detalhe picante, pois a bandeira da escola era um estandarte da tal organização, igual ao que seus membros usavam nas manifestações de rua que promoviam desde os anos 1960, muito comum pelo menos aqui em São Paulo. 

O João entrava de terno e gravata, o que aumentava a ironia e o Paulo Elias usava uma roupa de carnaval mesmo, para dar o contraste. 

Ao longo dos shows, eu tive uma ideia cênica, que apresentei ao grupo e foi aceita. Inclusive essa performance que fazia se tornou tão engraçada que realmente acrescentou muito ao número, e uma vez num show no Rio de Janeiro, recebi elogios de um diretor de teatro, que pensou que eu fosse ator. 

Não sou, claro, mas nessa performance eu acho que convenci. 

Era o seguinte : como nos primeiros shows eu tocava burocraticamente um agogô, que pouco acrescentava à batucada, tive a ideia de evoluir pelo palco, tocando uma ridícula caixa de fósforos, o que era uma imensa ironia numa bateria ensurdecedora de escola de samba. 

Eu circulava como se estivesse evoluindo na avenida, fazia performance de mise-en-scené com a "cabrocha" Pituco, e às vezes imitava aqueles organizadores de desfile, que ficam gritando como se fossem treinadores de futebol, para que os integrantes não dispersem. 

Eu fazia essa palhaçada toda e via as pessoas se cutucando para mostrar a minha evolução com uma ridícula caixa de fósforos, e se matando de rir.

Era um grande momento do show e claro, a cutucada na direita radical era apreciada demais pelo público predominantemente universitário e simpatizante da esquerda. 

O Língua teve tantos problemas por mexer com isso tudo, que após a minha saída definitiva da banda, só foi gravá-la em 1985, com mudanças radicais na letra, sob ameaça de processos pesados.

Para não ofender ninguém, e não é a minha intenção, mas apenas relatar essa parte da minha carreira com o Língua de Trapo, vou reproduzir a letra suprimindo as partes que possam ser interpretadas como ofensivas àquela organização. 

"Samba-Enredo da... "xxx" (Carlos Melo / Laert Sarrumor) 

"XXX" pede passagem, pra mostrar sua bateria 

E seu passado de coragem, defendendo a Monarquia 

Salve "YYY", precursor da linha-dura 

Grande baluarte da ditadura 

Legislador da Inquisição, implacável justiceiro 

Homem de grande erudição, lia Mein Kampf no banheiro 

No tribunal de Nuremberg, defendeu o Mussolini 

Sob os auspícios do Lindenberg 

E hoje ele se preocupa com a infiltração comunista 

No Clero progressista  (e o Lefebvre) 

Levebvre, fiel companheiro, incomparável amigo, irrepreensível mentor  

Exerce completo fascínio e vai incluindo no "XXX", o genio conservador 

Digno de um poema de Ezra Pound, quer que o Brasil se transforme 

Num imenso playground 

No carnaval, a escola comemora o nascimento de "YYY" 

E a defesa da tradição, cantando esse refrão : 

Anauê, anauê, Anauê, "XXX" acabou de chegar (repete) 

E hoje sou fascista na avenida, minha escola é a mais querida 

Dos "reaça" nacional (repete) 

Plim, plim, plim, plim, plim, plim, plim, plim, plim, plim 

Era assim que a vovó o seu "YYY" chamava...  

Bem, o "Anauê", era a saudação ritualística do partido integralista, nos anos 1930, semelhante à saudação nazista. Para os mais antenados em história, a piada era irresistível, ainda mais realçada pelos trejeitos do Laert fazendo a saudação integralista com o braço. E aqui no relato, omiti as partes possivelmente ofensivas à pessoas e organizações, colocando as onomatopeias "XXX" e "YYY", no lugar.


Continua...      

Nenhum comentário:

Postar um comentário