quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 16 - Por Luiz Domingues

Com Verônica Luhr efetivada, passamos a acelerar o processo de prepará-la para atuar ao vivo. 

Já tínhamos mais músicas próprias a caminho, mas ainda precisávamos de "covers" para completar o set list.
E com a entrada dela, e diante de seu potencial, tratamos logo de colocar no repertório, músicas como "Proud Mary"e "Acid Queen", para ela soltar a Tina Turner que tinha na garganta.

O primeiro show foi num festival colegial.

Não concorremos, mas fizemos o show oficial do Festival, do Colégio Manoel de Paiva, localizado no bairro do campo Belo, zona sul de São Paulo. 

Mesmo de caráter amadorístico, havia um P.A. alugado, de qualidade razoável, que a direção da escola, em parceria com o centro acadêmico dos estudantes, havia bancado.

Haviam cerca de 250 pessoas presentes, nesse dia 20 de novembro de 1982. 

A irmã do Rubens, Rosana Gióia, se apresentou também, fazendo backing vocals. 
Essa apresentação foi um estouro, pois além de contrastar com o nível sofrível das bandas de alunos, que se apresentaram concorrendo, e 99.9% fazendo Heavy-Metal na onda do "NWOBHM" (The New Wave of British Heavy-Metal), a Verônica chamou muito a atenção. 

Sua voz era impressionante e claro, sua beleza física provocava frisson.

Seu inglês era macarrônico e constrangedor, mas isso não nos incomodava, pois os covers eram meramente ocasionais, e tinham seus dias contados. 
Esse foi o primeiro show da Chave do Sol, onde não tocávamos para uma plateia só de amigos e parentes, e a repercussão provocou aplausos, uivos, assobios, e assédio no camarim.

Um começo muito animador para essa nova formação, e na semana seguinte, já tínhamos marcado mais dois shows, novamente no Café Teatro Deixa Falar, e desta feita como quarteto.

Esses shows foram muito fracos de público (Dias 26 e 27 de novembro de 1982, e com 10 e 15 pagantes, respectivamente ).
 
Mas a dona Sabine, havia acabado de adquirir uma outra casa noturna, localizada na Rua 13 de maio, no bairro do Bexiga, zona sul de São Paulo, onde a noite era fortíssima naquela época, e nos convidou a fazer uma temporada lá, para atrair público.
 
E nessa série de shows, coisas muito engraçadas aconteceram.



Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário