segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Tomando uma Crush em 67 - Por Julio Revoredo



Sejas-te funto, oleiro na soleira do quebramar septangulo, do fundo da alma de óleo, donde obumbra, o que jaz, foste ao que, ao pé, em quebrângulo.

Zizia sob o signo de sete sóis fatiados, como o cérebro e o hipocampo.
Por vezes cavalos com olhos vazados, ou, ocas carcaças no estio.

O ventre livre que liberta os olhos azuis da ré violeta, em contraponto com o homem, o mar, o flume.

De repente, tudo se esbora, e o que ancora, cai na rede no fosmeo setor, do que petreo permanece, como ângulo, na soleira do oleiro, sejas-te funto.





Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas músicas que compusemos em parceria, para três bandas onde atuei, A Chave do Sol, Sidharta e Patrulha do Espaço.

Com signos fortes, o poeta evoca o ano de 1967, onde tudo aconteceu, de fato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário