segunda-feira, 15 de julho de 2013

Autobiografia na Música - Trabalhos Avulsos (Electric Funeral) - Capítulo 48 - Por Luiz Domingues


Em setembro de 1989, me desliguei definitivamente da minha banda, A Chave do Sol, que na verdade já nem era A Chave do Sol propriamente dita, mas uma continuação dela, com nomes diferentes (A Chave, The Key). 



Assim que encerrei minha participação nas gravações do quarto disco da banda, oficializei a minha saída, visto que o vocalista Beto Cruz, já sabia de minha decisão há tempos, desde o início das gravações, mas isso será esmiuçado no capítulo que conta a história daquela banda.

Quero só enfatizar que desse meado de 1989, até o início de 1992, vivi o meu maior período sem ser membro de uma banda oficial. E dessa forma, emendei diversos trabalhos paralelos, ou tentativas de.

O primeiro deles, foi aceitando o convite do guitarrista do Golpe de Estado, Hélcio Aguirra, para tocar com ele e mais dois músicos, numa banda tributo ao Black Sabbath, chamada "Electric Funeral", nome de uma música d
o repertório dessa banda clássica do Rock britânico setentisa.

Isso ocorreu em junho de 1990.

Apesar de não ser um grande fã da banda, eu gostava (gosto) dela, e mesmo não sendo meu objetivo de vida tocar em bandas cover, aceitei o convite, pois ganharia um dinheiro, e certamente seria divertido.

Além do Hélcio Aguirra, os demais componentes eram : Vitão Bonesso na bateria, e Chris Skepis, vocal.

O Vitão era um ex-membro do "Beatles Forever", uma das mais famosas bandas tributo aos Beatles de São Paulo, e esta, com a presença do extraordinário guitarrista, e um dos maiores colecionadores de memorabilia Beatle no país, Marcos Rampazzo. 


Vitão Bonesso, ainda estava iniciando no radialismo, e não era tão famoso quanto hoje em dia nesse meio do jornalismo especializado, e aliás, mais centrado hoje em dia, no Heavy-Metal.

Já o Chris Skepis, era um vocalista-guitarrista que morara em Londres durante muitos anos, e lá, foi membro oficial de uma banda punk da cena de 1977, chamada "Cock Sparrer". 

Apesar disso, ele era na verdade um Rocker de sólida formação 60/70, e profundo conhecedor da matéria. 

E uma particularidade : eu o conheci pessoalmente somente nesse dia em que ensaiei com o Electric Funeral pela primeira vez, mas já ouvia histórias dele, desde o início dos anos 1980, pois ele era (é), irmão do vocalista Dennis Skepis, que fora vocalista do "Contrabando", banda na qual José Luis Dinola (A Chave do Sol), tocou entre 1978-1981.
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário