quarta-feira, 3 de julho de 2013

Autobiografia na Música - Terra no Asfalto - Capítulo 26 - Por Luiz Domingues



Os ensaios acústicos tinham a função apenas de tirar as harmonias das músicas, decorar letras, fazer arranjos vocais etc. 

Para nós, era o melhor possível que poderíamos fazer numa fase em que a banda se reformulou, e ficou sem local de ensaio.

Mas é claro que era insuficiente e inadequado. 


Tanto foi assim, que após quatro shows nessa formação, a banda encerrou atividades e só voltaria quase seis meses depois, aí sim, com uma nova formação firme, e que estabeleceu a melhor fase da sua história. 

Já vou chegar nesse momento, logo mais nos relatos.

Eu usava apenas um violão, pois não dava para ligar amplificadores e tocar bateria no sobrado germinado do Luis "Bola". Ele usava uma bateria de borracha, daquelas de estudo, e os demais com violões.

Nessa época eu tinha um desenvolvimento nulo no violão. Isso porque a maioria dos baixistas começa com violão e guitarra, e depois, se especializa no baixo. Mas no meu caso, eu fui direto da estaca zero para o baixo, sem aprender nada no violão/guitarra.

Só fui desenvolver um pouquinho desses instrumentos, anos depois, pegando instrumentos emprestados de amigos guitarristas em brechas de ensaios, gravações e afins.

Mesmo assim, nunca desenvolvi a contento. Toco muito mal esses dois instrumentos. 

Insisto : Se aprendi a tocar e adquiri uma certa destreza, foi por absoluta força de vontade, perseverança, e por estar obcecado em atingir o meu ideal. 

Minha musicalidade foi forjada a fórceps...


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário