sábado, 27 de julho de 2013

Autobiografia na Música - Língua de Trapo - Capítulo 33 - Por Luiz Domingues

Consegui chegar em cima da hora no Tuca, após me apresentar com A Chave do Sol, no programa da TV Cultura, "A Fábrica do Som". 

Essa parte. sob o ponto de vista da Chave do Sol, já contei lá no capítulo conveniente dessa banda. 
Esbaforido, e com a adrenalina do show para 2000 pessoas que acabara de fazer, tinha que me acalmar e entrar na egrégora do show do Língua, e todas aquelas marcações teatrais, trocas de roupas, vinhetas etc etc.

Começou o show, e a casa estava lotada. 


Não me lembro do borderaux oficial, mas os 1000 lugares liberados pelos bombeiros (a casa tinha 1800 lugares, mas por motivo de segurança, os bombeiros só liberaram 1000 lugares, com a obra ainda inacabada, da reforma), estavam preenchidos.


Havia uma certa tensão no camarim, pela estreia, algumas indisposições com os empresários (naquela época, era um triunvirato formado por dois rapazes e uma moça, cujo escritório se chamava "D.D.M.", provavelmente a inicial do nome de cada um).

E claro que não curtiram me ver chegando em cima da hora, esbaforido e adrenalizado pelo outro show...

Eis que o momento chegou, então. 


Tocou o terceiro sinal da plateia, a luz apagou e começou a vinheta de super-8 qua abria o show. 
Da coxia, ainda esperando a hora de entrar no palco, já ouvíamos as primeiras risadas. 

No filme, havia uma colagem de cenas absurdas, protagonizadas pelos membros do próprio Língua, e vários agregados da banda, que foram usados como "atores", também. Como já contei algum tempo atrás, não haviam cenas comigo, pois esse processo estava sendo feito há meses, e não contavam com a saída da banda, do baixista Luis "Risada"Lucas.
 
O que fizeram de improviso, foi uma nova edição, onde o Louis Chilson cortou as cenas em que o Luis "Risada" aparecia, mas sem chance de produzir novas imagens com a minha pessoa...

Esse começo era bem estratégico, pois o público já se esborrachava de rir, quebrando qualquer tensão. 


Quando entrávamos no palco, o público já tinha rido muito, mas iria rir muito mais...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário