sexta-feira, 12 de julho de 2013

Autobiografia na Música - A Chave do Sol - Capítulo 2 - Por Luiz Domingues

Então, mais ou menos em julho de 1982, marcamos um ensaio nas dependências do Café Teatro Deixa Falar, num oferecimento da Dona Sabine, que era mãe da namorada do Rubens à época.

Cabe aqui um parênteses, o Café Teatro Deixa Falar era uma casa noturna localizada na Av. Santo Amaro, em São Paulo, no bairro Itaim-Bibi.
Ali, anos antes, funcionou o badalado "Be Bop A-Lula", uma das casas mais Rockers da cidade. 

Praticamente todas as bandas da cena setentista, tocaram ali. 

Nas páginas das Revistas "Rock, a História e a Glória" e "Pop", foram publicadas muitas matérias enfocando shows de bandas da época, incluso gente off-Rock, como Alceu Valença.

A dona Sabine era dona do Be Bop a Lula, e com sua decadência, no início dos anos 1980, transformou-o num bar, mas sem o mesmo glamour de outrora. 
Em 1981, me apresentei ali com minha banda cover "Terra no Asfalto", inúmeras vezes, e daí surgiu a oportunidade de conhecer o Rubens, via Dona Sabine.

Como ela era antiquária (tinha um enorme antiquário na Av. Brigadeiro Luiz Antonio, quase esquina com a rua Tutóia, no bairro do Paraíso, zona sul de São Paulo), costumava decorar o bar com coisas muito exóticas. 

E por ser enorme, tinha câmaras e a antecâmaras labirínticas.
Entre tantos objetos exóticos, mantinha armaduras medievais; quadros com imagens de pessoas desconhecidas de séculos anteriores, e até uma múmia Inca. 

Isso mesmo, vocês não leram errado... 

Era uma múmia verdadeira, de aproximadamente 1300 anos de idade. 

Na verdade duas, pois dava para perceber que era uma mãe que morreu tentando proteger seu bebê. Aquelas duas múmias eram muito perturbadoras, e deixavam o clima do local pesado, ainda mais se considerarmos que as paredes eram simulações de formações rochosas, e a iluminação ambiente, provida por tochas, com fogo natural. 

Apesar dessa atmosfera fantasmagórica, o Deixa Falar era uma casa que mesmo decadente, tinha boa infra-estrutura de palco, e camarim, com iluminação de teatro convencional, e essa atmosfera de set de filme de terror. 

E para mim, havia a lembrança do Be Bop-A Lula, um ícone setentista.
 
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário