quarta-feira, 24 de abril de 2013

Autobiografia na Música - Terra no Asfalto - Capítulo 25 - Por Luiz Domingues

Em Campinas, o objetivo primordial da apresentação foi cumprido.

Mas mesmo assim, a escola nem esboçou reconsiderar a sua decisão de cancelamento e infelizmente perdemos essa oportunidade.
Sim, era visível a desintegração da banda, mas como se tratava de uma banda cover, e eu estava empolgado com os rumos que o pré-Língua estava ganhando, não me incomodava muito esse processo terminal, mesmo porque paralelamente ao Terra, e ao pré-Língua, eu estava fazendo bicos com trabalhos avulsos, conforme já relatei nos capítulos, "trabalhos Avulsos".

Uma história engraçada que esqueci de contar : nesse período em que o Luis Bola entrou no Terra, ensaiamos de forma acústica diversas vezes na casa dele. 


Era um sobrado bonito na rua Cristiano Viana em Pinheiros, zona Oeste de São Paulo, no quarteirão, próximo à escadaria que dá acesso à Rua Cardeal Arcoverde.
Quem conhece São Paulo, e aquele bairro em específico, sabe que muitos anos depois, aqueles quarteirões próximos da Rua Teodoro Sampaio viraram point de lojas de instrumentos, e equipamentos musicais.

Mas em 1980, não havia nenhuma loja assim por aquelas redondezas.

A esposa do Luis Bola (peço desculpas, mas esqueci seu nome), era atriz, e tinha contatos bons no cinema.

Tanto era assim, que houvera feito uma ponta no filme "Gaijin", da diretora Tizuka Yamazaki. 

E naquele período em que frequentei a residência do casal, eles estavam hospedando um jovem ator carioca, ainda não muito famoso, chamado Jorge Fernando.
Muitos anos depois, ele se tornaria um diretor de novelas muito festejado da Rede Globo. 

Naquela época, havia feito um trabalho apenas que despertou a atenção, chamado "Ciranda Cirandinha", uma espécie de sitcom brasileira, e curiosamente precursora do que seria mais ou menos a série americana "Friends, anos depois.

Eram quatro jovens dividindo um apartamento no Rio, todos mezzo Hippies. Jorge Fernando, Denise Bandeira, Fábio Jr. e Lucélia Santos.

Fez um relativo sucesso em 1979, na TV Globo, mas ainda não o suficiente para torná-lo uma celebridade de não poder andar pelas ruas, longe disso. 

Mas fico contente por saber que ele venceu na carreira, pois ainda me lembro dele circulando pela casa, assistindo nossos ensaios etc.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário