terça-feira, 9 de abril de 2013

A Casa que nos pertence... - Por Telma Jábali Barretto

Num mundo de constantes e cada vez mais rápidas transformações,
insistimos na permanência, posse...

Que permanência ?!...
Aquela que propicia segurança: hábitos, pessoas, endereços que são crenças ou raízes, conhecimentos que dominamos,
a casa que nos pertence !
Pertencemos ao planeta, à cultura, à família de origem
da qual herdamos o DNA, estigmas e karmas,
habilidades que nos fertilizam.

Tudo isso são posses que costumamos confundir ou afirmar
e que definem quem somos.
Somos essa quantidade de ideias, memórias, sensações e sentimentos
‘abrigados’ nessa forma física, que nos comporta, abarca,
e é detentora dessa personalidade pela qual nos fazemos conhecer,
vestindo caras e trejeitos, olhares e andares,
escolhendo como nos preservar...
entendendo "preservar" desde aquele frescor da juventude
(e haja cuidado, creme, artifícios, exercícios, espelhos e reflexos)
até a manutenção das mais arraigadas conjecturas
que nos (auto)denominam.

Dentro dessa casa própria, negociada, adquirida e usada
por longo tempo que, às vezes, achamos ou queremos seja eterna,
carregamos toda nossa trajetória.
Cada músculo contém todas as alegrias e tristezas que nos ‘pertencem’.
São nosso curriculum !

Cada gota que percorre essa casa, leva consigo a
aridez ou plenitude que conheceu, num equilíbrio/desequilíbrio
que lhe é próprio, inerente, intransferível, marca de toda sua beleza e dor,
no contexto que é seu palco de existência.
Ainda, ou mesmo assim, preferimos dizer que moramos
naquela cidade/bairro/casa.

Defendemos aquele país, brigamos por aquela religião, partido, profissão ou time, protegendo nosso território...

E, sim, tudo isso também somos !
Mas, em primeira e última instância,
SÓ ou TUDO que somos ‘MORA’ unicamente nessa arena,
formada por elementos da natureza, conjunto e combinação de células e
vazios, em meio a uma quantidade enorme de água...

Essa é a casa, a morada que habitamos, nessa existência com CIC e RG.
E que seja, como diz o poeta, "eterna enquanto dure",
festejada, infinita e sacralizada a cada oportunidade de habitá-la.
JAYA !!!





Telma Jábali Barretto é colunista fixa do Blog

Luiz Domingues 2.


Engenheira civil, é também uma experiente

astróloga, consultora para harmonização de

ambientes e instrutora de Suddha Raja Yoga.


Nesta matéria, falou sobre a questão da morada,

que ganha interpretações as mais diversas, mas no fundo, o sentido

é muito mais específico do que imaginamos.

6 comentários:

  1. Olá Telma,

    Linda reflexão, ilustração exemplar, que me provoca questionamento:
    Quanta segurança precisamos, se estivermos repleto de FÉ????
    Porque se estamos escolhendo como nos preservar, com todo esse arsenal que trazemos, não estamos tão seguros nesse "ABRIGO".
    PARABÉNS, GOSTO MUITO DOS SEUS ARTIGOS, ABS,
    MARI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, se estiver repleto de fé, estará sempre segura! Mas, não podemos esquecer da escada de Jacó ou Brahmasamypia (eterna aproximação do Absoluto, Deus), a escada não acaba...estamos sempre em processo e, a cada degrau que dominamos, novo nível de segurança que ali correponde...tanto da fé, quanto das mais sutis maneiras de preservar! Mudamos a nossa relação com 'abrigo' sempre, passo a passo, e,começaremos a sentir 'parte' de um corpo maior, cósmico, e outros níveis de segurança são contruidos!
      Obrigada por ter lido, pelo seu oportuno e sábio questionamento e, abraço aí!!!

      Excluir
    2. O Blog agradece a sua visita, Mari e os elogios ao texto da colunista Telma. Volte sempre, recomende, compartilhe...

      Obrigado !

      Excluir
  2. Oi, Telma, mais uma vez obrigada por um novo texto que nos leva a refletir.
    Surpreendendo-nos com verdades com tons de poesia. Na mas tê.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito de sua observação, Gema. De fato, a colunista Telma, expressa-se poéticamente, mas indo fundo na busca da verdade.

      O Blog agradece a sua visita e comentário !

      Excluir
    2. Obrigada aos dois pelo atencioso comentário. Ambos sempre me estimulando... Minha maior GRATIDÃO!Na mas tê !!!

      Excluir