segunda-feira, 11 de março de 2013

Os "Vilões" ao Longo do Processo - Por Telma Jábali Barretto


Quantos véus ainda teremos que tirar para sair dessa incrível necessidade de achar
"o culpado" ?...

Sim !!!

Precisamos "dele" e não vivemos sem "ele", ou, como (sobre) –viveremos
completa e absolutamente responsáveis pelo que acontece?

É preciso ser bastante adulto como individualidade, alma antiga, experiente ou
com  -  ciência de si, o suficiente, para não transferir culpas ou méritos da própria trajetória, assumindo e assinando escolhas e decisões que, em algum momento,
passam a ser nosso único patrimônio, perseguindo ou premiando,
como algo intransferível.

Se muito politizado, a culpa é do sistema.
Se muito analisado, a culpa é do pai/mãe.

Se muito científico, é da genética
(seja ela biológica ou conjunto cultural que nos cerca).

Se muito místico, a culpa vai do pecado original,
passando pelo ‘karma’ e agora, finalmente,
se revestindo do "ego".

E quantos pesos carrega hoje o ‘ego’!!!

Onde, por Deus ?! pelas barbas de Netuno ?!
Estava essa ‘indefesa’, ‘inocente’, e, quem sabe
"incompetente" individualidade que, como pluma ao vento,
foi "sofrendo", "errando", se "enganando", sendo
"traída e trapaceada" pelo "‘mal"
(volto a dizer: pelo sistema ou heranças)
ao experimentar o que chamamos viver?

Porque não enxergar, simplesmente, os níveis de complexidade
 degustados com as vivências
que, individual e coletivamente, construímos na Teia da Vida ?

Somos e seremos eternamente coautores do processo !


Se conseguimos entender e aceitar um pouco do que seja
 a teoria quântica, necessário também aceitar a importância do
olho do observador.

Não seria ele, essa individualidade nomeada agora
"demoníaco ego" ?!...algo a ser castrado, enterrado e deletado?!

Vale reflexão!!!

Como ser o todo, se não chegamos a (re) conhecer a parte.

Como ser o Uno e o Verso?!
E, principalmente,
como, ainda carregados de pesos tão dualistas e dicotômicos com essa
incrível e surreal mania de perseguição,
alcançamos já tão subjetivas percepções, quânticas até,
algum olhar mais equânime sobre a própria manifestação da vida?


...Ainda há um pouco da Idade Média que subesiste em nós...
e que um salto quântico nos alavanque além dela !!!


Telma Jábali Barretto é colunista fixa do Blog

Luiz Domingues 2.

Engenheira civil, é também uma experiente
astróloga, consultora para harmonização de
ambientes e instrutora de Suddha Raja Yoga.

Nesta matéria, discursou sobre os subterfúgios
que usamos comumente, para nos isentarmos de nossas
responsabilidades pessoais no processo evolutivo.

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada menina...abraço grande aí!

      Excluir
    2. Obrigado por mais uma participação no Blog, Eli !!

      Excluir
  2. Muito boa e verdadeira essa matéria. É mais fácil colocar a culpa em tudo. Menos assumi-la.
    Parabéns Telma!
    Obrigada Luiz. Por compartilhar matérias muito inteligentes estou sempre aprendendo mais.
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que lhe agradeço, Bete, por ter lido com interesse e postado esse bom comentário.

      O Blog se envaidece com sua observação e nesse caso, o mérito é todo da Telma, nossa colunista.

      Excluir
    2. Obrigada pela leitura e comentário.É ainda um exercício essa postura responsãvel, mas vamos exercitando, atentando para...mudando!

      Excluir