quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Autobiografia na Música - Boca do Céu/Bourrébach - Capítulo 43 - Por Luiz Domingues


E visando dar uma sacudida no grupo, o Laert propôs uma mudança de nome para a banda, buscando dar um verniz mais artístico, e condizente ao que pretendíamos. Uma lista foi elaborada e diante de várias opções, surgiu a ideia de "Bourréebach". Era uma junção das palavras Bourrée (nossa influência nesse caso, foi a música gravada pelo Jethro Tull, no LP "Stand up", baseada na peça de Bach), e do nome do próprio compositor germânico Johann Sebastian Bach. 
O neologismo parecia bonito, mas na verdade era pomposo e pretensioso demais para uma banda de adolescentes que evoluíam lentamente, e portanto, ao adotar um nome desses, dava-se a impressão de que éramos músicos de alto nível fazendo Rock Progressivo com desenvoltura, e certamente com formação erudita sólida. Uma coisa é certa : entre a presunção de um nome pomposo, e um nome tolo como "Boca do Céu", hoje em dia acho que nesse aspecto, acertamos na decisão adotada. Uma pena que o Bourréebach teve menos chances doravante, e seu início propiciou a etapa final da banda, rumo à extinção. Na verdade, a banda foi passando por um lento processo de apuração, afunilando-se num ponto onde quem realmente estava determinado a seguir na música, assim o fez, tomando direções diferentes, após o seu gradual desmanche. É bem verdade, o nome "Boca do Céu" hoje em dia tomaria outra conotação inimaginável em 1977: "Céu" poderia ser uma dessa escolas de periferia batizadas com esse nome (“CEU", como sigla e sem acento, logicamente), e "Boca", obviamente relacionada ao tráfico de drogas...portanto, hoje (2016), caberia bem num "Bonde de Funk"...
Tomamos a decisão de assumir o novo nome na virada do ano e assim, em 1° de janeiro de 1978, surgiu o Bourréebach !!


 Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário