quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O Homem / Inabitado : Dois Poemas a Peter Collinson - Por Julio Revoredo

1) O Homem


Um homem bravo, conta triângulos, com olhar tríptico.

De avesso, o devasso, em si disjuntor, afla.

Se um cego o visse, reboava.

Todo nu no escuro, desabotoado, em seu abandono, bebe da ferrugem, que pela isolada e ruínica parede, escorre.

O sol não vence o oásis, o que ocorre, fragmenta-se, por que ser normal então ?
Perde-se no barulho, para encontrar-se, no silencio, recosto ao infravermelho mar.

E os triângulos, perderam-se no vão isósceles e a jaula desprendeu o bravo homem.




2) Inabitado



Inabitado

Ôco

Logro

Raro

Sobra

Obra

Caos

Cores

Ventos

Estranho

Vazio

Obra aberta

Desatenção

Alerta

Sombrio

Fugaz

Sopra-se

Retoma-se

Retorna-se

Habita-se

Fortalece-se

Feliz e a sede !







Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas músicas que compusemos em parceria, em três bandas onde atuei : A Chave do Sol, Sidharta e Patrulha do Espaço. 

Aqui, mostrou-nos dois poemas que escreveu sobre Peter Collinson, um diretor de cinema britânico, com filmografia muito significativa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário