sexta-feira, 29 de junho de 2012

O Que Beira a Margem - Por Julio Revoredo


Há um ser, que distende

Voraz e célere, apreende

Nao tem veias, impressões digitais.

Segue-se a apreensão, desfoca, imago, mago, nada, inflexão.



E sombra, esbora, acende.

Se há vida, na vida, tangeia.

O que dizer sobre o estranho,

Por onde cruza e vagueias ?

Não e tão simples assim, quando o encara, o profundo olhar nao tem fim





E sim , fogo.






Triplica-se no espelho, o jogo, sabe-se, homem, dobro.

Há um ser, que distende, ao que o comum, não compreende, e que continua, no amplo fluxo.




Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas músicas que compusemos em parceria, em três bandas onde toquei: A Chave do Sol, Sidharta e Patrulha do Espaço. é também um pesquisador em potencial, tendo um arquivo pessoal invejável sobre música, cinema, literatura, teatro e artes plásticas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário