segunda-feira, 25 de junho de 2012

Do Homem Obscuro - Por Julio Revoredo



Resplandece com a luz do sol

Une o corpo a alma

O frio queima

Anoitece

Começa a dizer-me enigmas

Inconstante no amor

Abre-se a terra

O ódio e sepultado no esquecimento

Palavras transpõem-se

A beleza do estilo

A sombra é enganadora,


Ante o véu da alegoria

Ante o inventor das palavras

O furor das ondas

O choque dos ventos

O mar glacial, dia infausto

Zune o vento tempestuoso

Não há refugio

Há fastio.

Soturno Saturno

A alma dos mortos

ìgnis vigil

Volutatio animi.




Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas músicas que compusemos em parceria, em três bandas onde toquei : A Chave do Sol, Sidharta e Patrulha do Espaço. 

Seus poemas são ricos em imagens fortes e sentimentos análogos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário