terça-feira, 22 de maio de 2012

Farol 1 - Por Julio Revoredo




Extrínseco farol

Viste o anteceu

Hiperbóreo sol

E a sombra comprida, da adaga florida

Aos olhos de um ableptico

De um abléptico condor em desvario.



Sob o signo de um tempo vario

Sem estações, dias ou noites

E a memória da água hiera

Oclusa, no que aparente encerra, implexa e atemporal.

Múltipla, como um espelho, irrefletido num labarito surreal.


E volta-se o farol, vestido da mais exprandiga soidão

Soprada pelos ventos do vulturno

Na ígnea diáspora, que tece a sombra do que ora tange a cítara, 

laivo fosmeo do intraduzível.

Do extremo estranho 

Feito um aracnídeo

No que o traduz, quando do nada, tudo retorna, vai e dissipa.




Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas composições que criamos juntos em três bandas onde eu toquei : A Chave do Sol, Sidharta e Patrulha do Espaço. Neste poema, ilumina o Blog com luz literária e única.

Nenhum comentário:

Postar um comentário