segunda-feira, 23 de abril de 2012

Consutil - Por Julio Revoredo


Do emerso septângulo

Sob os vessos de Iofon

Sob as cores de zeuxis

O corculo apiro

O desalado morcego, trissa. desagora, uxi, abacina.

Pelo faial, deambula o arlotão em sua parestesia.

Vive num undifero alfarge, com seu lusmeo e toma o seu hissom.






Julio Revoredo é colunista fixo do Blog Luiz Domingues 2. Poeta e letrista de diversas composições em que trabalhamos em parceria para bandas onde toquei, como: A Chave do Sol, Patrulha do Espaço e Sidharta, é meu amigo desde 1982.

2 comentários: